Siga as Redes Sociais

Entretenimento

Saída de membros afeta negócios e popularidade de grupos de k-pop

Publicado

em

Em outubro, fãs de k-pop passaram por três golpes seguidos com a saída de três integrantes de grupos diferentes. Hwall, do The Boyz, saiu da banda alegando motivos de saúde. O jovem já não havia participado do último álbum dos meninos, lançado em agosto.

Menos de uma semana depois, Woojin, do Stray Kids, deixou o grupo alegando motivos pessoais. Ele não divulgou nenhuma carta na despedida, mas fãs disseram que ele deixou uma mensagem em um grupo exclusivo de admiradores dele em uma rede social coreana. O líder do grupo, Bang Chan, postou uma carta para os fãs pedindo desculpas por não ter conseguido manter o grupo com nove membros.

Três dias depois, veio a notícia de que Wonho, do Monsta X, também havia deixado o grupo depois de uma polêmica o envolvendo. O membro foi acusado de dever dinheiro para um ator e boatos diziam que ele havia sido preso quando jovem. Em uma carta pesada, ele pede desculpas aos membros e fãs pelas polêmicas e pela saída.

Nunca antes o k-pop passou por tantas saídas repentinas e tão perto umas das outras. Geralmente, os artistas deixam de renovar o contrato exclusivo com as empresas na época de renegociação e saem da companhia. Em outros, eles são expulsos caso não cumpram algum acordo pré-estabelecido.

Fim do contrato exclusivo

Nas três saídas, os membros encerraram o contrato exclusivo com as empresas e não fazem mais parte do quadro de artistas. No caso de Wonho, a página do cantor ainda aparecia no site japonês da Starship, empresa responsável pelo Monsta X, mas ela foi deletada duas semanas depois.

Depois dos anúncios, fãs subiram tags no Twitter agradecendo pela contribuição de cada integrante para os grupos, mas os monbebes, fãs do Monsta X, seguem em uma luta diária com tags exigindo o retorno do membro, e asseguram que não vão desistir enquanto a empresa não reverter a decisão da saída de Wonho.

Para o jornalista especialista em k-pop Jeff Benjamin, da Billboard, o momento de agora é uma fase de teste para saber se o movimento dos fãs pode ou não reverter a decisão das empresas.

“Se isso acontecesse há dois anos atrás, não teria nenhuma esperança [de que os membros voltassem]”, diz. “A Coreia do Sul é a casa e é de onde essas companhias operam, mas fãs internacionais têm mais voz do que nós percebemos”.

A movimentação dos fãs fora da Coreia já gerou algumas mudanças em decisões tomadas pelas empresas antes.

No ano passado, quando HyunA e E’Dawn, agora conhecido por Dawn, anunciaram o relacionamento de anos, a CUBE, empresa que cuidava dos artistas, revelou que eles foram expulsos. Depois de protestos de fãs, principalmente fora da Coreia da Sul, eles mudaram a nota e disseram que estavam negociando com os dois artistas.

Impactos nos negócios

A saída de um membro pode afetar negativamente a imagem e a popularidade de um grupo. Enquanto fãs podem deixar de apoiar e acompanhar a banda caso seu membro preferido saia, empresas também podem deixar de fechar negócios com os membros restantes.

“Fica um espaço vazio estranho. Grupos de k-pop são meio construídos, então você vai se tornar fã do grupo. Mas todo mundo tem seu membro preferido, ou bias, como ele é chamado”, explica Benjamin. “Isso definitivamente vai afetar o grupo e a popularidade, o que ele representa”.

No k-pop, os grupos trabalham as apresentações e vídeos pensando em dar destaque para todos os integrantes. Nos shows, lugar em que este membro deveria estar pode ficar vazio ou deixar uma sensação de incompletude nos fãs.

Nos negócios, patrocinadores podem deixar de trabalhar com algum grupo por causa de polêmicas, novas parcerias podem não ir para frente e marcas podem não querer a imagem vinculada a alguém por algum tempo.

“É preciso lembrar que a Coreia é a base de operações, e se patrocinadores e pessoas na indústria não querem mais trabalhar com algum grupo por causa de uma saída, isso não é bom para os negócios. Por bem ou por mal, a indústria do k-pop é um negócio e eles precisam considerar um grande esquema de fatores”, diz Benjamin.

Outras vezes, a saída tem um efeito diferente nos fãs, que podem ouvir ainda mais as músicas do grupo e impulsionar as vendas, como aconteceu com o Monsta X. No caso do Stray Kids, fãs se mobilizaram após a saída de Woojin para votarem em premiações sul-coreanas, garantindo a liderança do grupo.

‘Eles são pessoas’

Mesmo com as cartas dos membros e o posicionamento das empresas, fãs querem entender o que aconteceu para ocasionar a saída, as negociações entre cantores e companhia e conseguir respostas, ainda que isso seja improvável.

“O kpop não permite que os artistas mostrem o que está acontecendo internamente. Eu acho que várias vezes é esperado que eles coloquem uma feição feliz, foquem no trabalho, continuem sendo muito profissionais e não falem sobre o que está acontecendo”, diz Benjamin.

Mas, mesmo com esse cuidado e controle sobre como essas narrativas são contadas, fãs percebem mudanças nos grupos. “Nós conseguimos ver o que está acontecendo com os artistas. Obviamente eles são humanos, obviamente eles são pessoas, eles têm sentimentos”, conta Benjamin.

O que os fãs podem fazer?

Em todas as cartas, tanto membros como empresas pedem que os fãs continuem apoiando os grupos. E, para Benjamin, é exatamente isso que os fãs podem fazer.

“É preciso lembrar que isso é um negócio. Se você quer que o seu grupo se sinta apoiado, literalmente, continue apoiando. Se você quer que eles continuem do jeito que eles são, assista os vídeos, compre os álbuns, mande mensagens e interaja pelas redes sociais”, analisa.

Os fãs também podem manter a lembrança positiva dos membros que saíram, sem deixar que eles caiam no esquecimento ou que sua marca e legado sejam esquecidos.

“Os fãs podem garantir que as boas lembranças sejam guardadas, as imagens fofas, os vídeos felizes…. garantir que a saída de um membro não foi em vão ou que isso necessariamente arruíne a vida desses artistas”, conclui.

Fonte: R7

Comente

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entretenimento

Sucesso na internet, João Gomes se torna a nova sensação da música no Brasil

Publicado

em

Foto: Divulgação

João Fernando Gomes Valério, ou apenas João Gomes, tornou-se um dos cantores favoritos do Brasil, e há pouco tempo, o garoto de apenas 19 anos, natural de Serrita, município do sertão pernambucano, cantava no coral da igreja. Como compositor, tem como referências grandes vozes da música brasileira, como Cartola e Belchior.

O cantor falou sobre a origem do nome que é uma uma homenagem a um parente. “Fernando vem de meu tio, que era vaqueiro, e desde sempre vem essa tradição. Quando um vaqueiro morre no sertão, tem essa homenagem. É diferente. Fui homenageado com o nome dele e conheci essa tradição antes de todas na minha vida. Foi forte”, disse.

Sobre como tudo começou, João explicou: “Tudo se iniciou com uma oração que escrevi no papel, depois a transformei em música com algumas coisas do cotidiano. Comecei na internet com uns vídeos. Fui buscando melhorar, e até hoje tenho essa cobrança em aprender algo mais. Sei que preciso, e estou indo atrás”.

A música Meu Pedaço de Pecado levou o jovem ao estrelato e o colocou na posição de mais ouvido no país no Youtube, com 21 milhões de visualizações. No Spotify, acumula mais de 36 milhões de plays na plataforma. O canal já possui mais de 60 milhões de views totais

O CD chamado de Eu tenho a Senha e que tem o hit Meu pedaço de Pecado no repertório, foi lançado recentemente e já ganhou um projeto audiovisual, gravado em Fortaleza, com participação de Tarcísio do Acordeon, a quem João diz ser fã, e Vitor Fernandes. Dois nomes fortes e lembrados pelo ritmo da vaquejada e piseiro.

Acumulando números impressionantes, João tem 10 faixas entre as 200 mais tocadas no Spotify, sendo Aquelas Coisas, uma das que ocupa o top 5 no ranking mundial do streaming.

Com esse sucesso no mercado da música, João busca manter os pés no chão. “Peço muita sabedoria e discernimento a Deus. Só ele pode me dar total auxílio. Confio muito e sei que tudo é por conta dele. O deixo conduzir minhas palavras e pensamentos.”

Com coreografia fácil, o artista foi viral na plataforma mais famosa de divulgação de músicas entre o público. João somou mais de 10 mil vídeos no serviço, além de ter 500 mil seguidores e 1,9 milhões de curtidas.

Tudo ocorreu durante a pandemia, e ele se tornou viral na música brasileira com início no Instagram. Com uma voz grave e aguda de um vaqueiro, tornou-se um dos representantes do ritmo piseiro, que a cada dia conquista mais o público e hoje é viral no TikTok, por exemplo, que tornou um termômetro no mercado fonográfico, já muitas canções saem de lá e chegam ao topo.

Fonte: Metrópoles

Continue Lendo

Famosos

Whindersson Nunes mostra caixa em que guardaria lembranças do filho

Publicado

em

O humorista Whindersson Nunes mostrou aos fãs a caixa em que guardaria lembranças do filho, João Miguel, que morreu logo após um parto prematuro.

Na imagem publicada por Nunes em suas redes sociais, há caixinhas para guardar os primeiros dentes, a pulseira da maternidade e uma mecha de cabelo, por exemplo.

“Dói tanto essas caixinhas vazias. Te amo, filho. Muita saudade. Minha e da sua mãe”, escreveu Whindersson na legenda.

Recentemente, o casal celebrou 9 meses de namoro e Whindersson se declarou para a estudante. “Nove meses cheirando esse narizinho gostoso, você hidratando meus cabelos e fazendo minhas sobrancelhas a força, muito cheiro e muitas horas de Conexão Repórter, e também muita coisa que ‘gente grande’ não passou. Te amo, princesa cheirosa!”, escreveu ele.

Fonte: Metrópoles

Continue Lendo

TV

Juliano Cazarré pode ficar fora de Pantanal por negar vacina contra Covid, diz colunista

Publicado

em

Foto: Divulgação/TV Globo

Segundo a Coluna do Leo Dias, Juliano Cazarré se recusou a tomar a vacina contra a Covid-19. O ator está escalado para viver o peão Alcides no remake de Pantanal, papel que foi de Ângelo Antônio na versão original. No entanto, ele pode ser cortado da novela caso mantenha sua decisão devido às medidas de prevenção sanitária da Rede Globo.

As gravações estavam previstas para começar este mês, mas estão atrasadas. No início, as filmagens serão feitas no Rio de Janeiro e, depois, quando a pandemia já estiver mais controlada, em locações no Pantanal, como nas cidades de Aquidauana, Miranda e Corumbá, no Mato Grosso do Sul.

A Rede Globo, que emitiu a seguinte nota sobre o assunto: “Nós não começamos a divulgar informações de Pantanal. É cedo, ainda temos uma novela das 21h [Um Lugar Ao Sol] para estrear antes”. Cazarré também foi procurado pessoalmente e através de sua assessoria de imprensa, mas não respondeu aos contatos da coluna.

Fonte: Metrópoles

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat