Siga as Redes Sociais

Esporte

Questionado sobre nepotismo, Tite defende filho em ascensão na seleção

Publicado

em

A decisão de Tite de colocar seu próprio filho na comissão técnica da seleção brasileira voltou a ser tema de pergunta na coletiva de imprensa após o empate por 0 a 0 nesta terça (18) contra a Venezuela em Salvador, pela 2ª rodada da fase de grupos da Copa América. O treinador foi questionado se o nepotismo é um bom exemplo para a sociedade e se isso não contraria o discurso ético dele próprio.

O fato de Matheus Bacchi estar na comissão técnica tem ficado cada vez mais em evidência por conta de sua ascensão na hierarquia. Depois da saída de Sylvinho para dirigir o Lyon, ele passou a ser o número 2 do técnico, só atrás de Cleber Xavier.

Um reflexo dessa mudança é que Matheus passou a ficar no banco de reservas, com contato direto com os jogadores. Antes, ele ficava nas tribunas, se comunicando com a comissão pelo rádio, como foi durante a Copa do Mundo da Rússia, em 2018.

“Eu tenho muito orgulho da capacidade que o Matheus tem. Ele está guinado em posições em que tem condições para estar”, analisou Tite. Pouco depois da resposta, ele olhou para seu filho, que estava sentado na primeira fileira da sala de coletivas.

Quando um outro repórter começava a fazer a pergunta, o gaúcho interrompeu. “Ele foi campeão brasileiro de uma maneira histórica no Corinthians. Tem história comigo”, completou.

A presença de Matheus na comissão virou debate desde a entrada de Tite na seleção, em 2016. Na época, os bons resultados e os debates sobre a saída de Dunga abafaram o tema.

Vale destacar que a atitude contrariava o código de ética da própria CBF, que não permitia a contratação de parentes. Para diminuir o problema, a entidade “atualizou” suas regras e permitiu a prática no departamento de futebol.

Fonte: Notícias ao Minuto

Olimpíada

Vôlei: Brasil vence Argentina de virada, em duelo emocionante

Publicado

em

Foto: Carlos Garcia/Reuters

O Brasil venceu a Argentina no vôlei masculino, na tarde de hoje (26) no Brasil – já madrugada no Japão. Em uma partida muito emocionante e equilibrada, sobretudo na reta final, a seleção brasileira conseguiu virar um placar desfavorável, de dois sets a zero, e vencer no tie-break. No final, 3 sets a 2 para o Brasil, ainda invicto na Olimpíada. Já a Argentina amarga a segunda derrota no grupo.

O Brasil começou mal e cometendo muitos erros. Do outro lado, os argentinos faziam um bom jogo, com destaque para Palacios e Bruno Lima, maior pontuador do jogo, com 26 pontos. O primeiro set terminou 25 a 19 e o segundo 25 a 21, ambos para a Argentina. O Brasil reagiu e corrigiu os erros. Fechou o terceiro set por 25 a 16, mas demorou a engrenar. No quarto set, a seleção brasileira iniciou mal, mas se superou e venceu por 25 a 21. O empate, então improvável, veio.

tie-break foi muito equilibrado. O Brasil, já ajustado e recuperado dos erros do início, ficava atrás sempre por um ponto, até o 12º. No ponto seguinte, na reta final e quando realmente era necessário, o time comandado por Renan Dal Zotto virou com bloqueio de Maurício Souza. Os argentinos sentiram a pressão de uma derrota iminente após estarem vencendo por 2 a 0. Um erro no saque de Palacios foi o símbolo dessa desconcentração, deixando o Brasil a um ponto da vitória. Um novo erro do adversário, em um ataque de Conte para fora, selou a vitória de virada da seleção brasileira.

“Hoje a linha de passe deles funcionou tremendamente, principalmente nos dois primeiros sets, mesmo nosso saque sendo forçado. Mas eu fiquei muito feliz com a vitória e com a demonstração de equipe. Quem tá saindo joga junto, torcendo para quem tá lá dentro. Isso é fundamental”, disse o técnico brasileiro logo após a partida.

Na próxima rodada, o Brasil enfrenta os atletas do Comitê Olímpico Russo; a Argentina joga contra a França.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo

Olimpíada

Skatista Rayssa Leal faz história e conquista prata nas Olimpíadas aos 13 anos

Publicado

em

Foto: Getty Images

A skatista Rayssa Leal, 13, gravou seu nome na história do esporte e dos Jogos Olímpicos nesta segunda-feira (26), com a medalha de prata na categoria street das Olimpíadas de Tóquio-2020.

Essa é a primeira vez que o skate é disputado nos Jogos, e o Brasil já havia saído com uma medalha no primeiro dia do street, a prata de Kelvin Hoefler neste domingo (25). As provas da categoria park serão realizadas em 4 e 5 de agosto.

Se antes havia a expectativa de um pódio duplo ou até triplo, já que o Brasil tinha algumas das principais participantes da prova, coube a Rayssa a responsabilidade de buscar a medalha sozinha, após as surpreendentes eliminações de Pâmela Rosa e Leticia Bufoni nas eliminatórias.

Rayssa Leal, fenômeno do esporte aos 13 anos, é a participante mais nova do Brasil na história dos Jogos e agora também a mais nova medalhista do país.

Natural de Imperatriz (MA), ela ganhou projeção nas redes sociais aos 6, com um vídeo em que aparecia acertando manobras vestida com uma fantasia da personagem Sininho. Isso lhe rendeu o apelido de Fadinha, que a acompanha até hoje.

Nos últimos anos, a atleta de 1,47 m de altura e 35 kg se tornou um dos principais nomes do street no mundo. Foi vice-campeã mundial em 2019 e chegou bem cotada para as Olimpíadas.

O surgimento dela e de outras adolescentes com destaque no skate alimentou o debate sobre a criação de um limite mínimo de idade para participar dos Jogos, algo que já ocorre em outros esportes, como a ginástica artística. O tema deve ser discutido para a próxima edição, em Paris-2024.

No Japão, Rayssa está acompanhada da mãe, Lilian, que tem acesso à Vila Olímpica. Nos últimos dias, ela viralizou ao chamar a lenda Tony Hawk de “tio”, interagir com famosos nas redes sociais e ser adotada com carinho pela torcida brasileira.

Ela, que costuma definir sua relação com o esporte como uma “brincadeira com responsabilidade”, de fato conseguiu encarar a pressão da estreia olímpica de maneira leve e concluiu da forma como está acostumada: sorrindo e com uma medalha no pescoço.

Fonte: Folhapress

Continue Lendo

Olimpíada

Rebeca Andrade dá show em Tóquio e se classifica para três finais

Publicado

em

Foto: Gaspar Nóbrega/COB

A ginasta brasileira Rebeca Andrade, de 22 anos, garantiu classificação neste domingo (25/08) em três finais no Centro de Ginástica de Ariake, em Tóquio.

A atleta estará na disputa da medalha no individual geral da Olimpíada, competição na qual passou na segunda posição, com 57,399 pontos, atrás apenas da super favorita Simone Biles. No salto, Rebeca foi a terceira melhor com a média de 15,100 pontos nos dois saltos. No solo, com a apresentação embalada pela música do Baile de Favela, ela obteve a nota 14,066 pontos, ficando somente um décimo atrás da líder, a italiana Vanessa Ferrari.

A primeira final da Rebeca será na quinta-feira (29), às 07h50 (horário de Brasília), no individual geral. As medalhistas no salto serão conhecidas no próximo domingo (1º de agosto) e as melhores do solo brigarão pelas medalhas no dia 2 de agosto.

Flávia Saraiva conseguiu a vaga na final na trave. Mas acabou torcendo o tornozelo direito no solo e teve que abandonar as disputas seguintes. A ideia da atleta é buscar a recuperação física para participar da final da trave prevista para o dia 3 de agosto, às 5h48.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat