Siga as Redes Sociais

Esporte

O futuro da Seleção Feminina pós ”geração Marta”

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Os 120 minutos tensos de Le Havre surpreenderam as francesas. Favoritas, em casa, elas esperavam uma partida mais controlada. Mas o que se viu em campo foi talvez um dos melhores jogos da Copa do Mundo. O Brasil soube se colocar bem diante de um rival forte e superou algumas de suas fragilidades.

Na ótica das jogadoras, a Seleção levou ao campo ”garra, vontade e coragem”. Mas acabou perdendo por 2 a 1, no segundo tempo da prorrogação. Ficou evidente que, no futebol atual, a vontade em campo ajuda e muito. Porém, para se obter o resultado efetivo e de longo prazo precisa mais do que isso.

Após a eliminação, o Brasil ouviu um apelo de Marta para a nova geração, pedindo mais profissionalismo das jogadoras mais novas. Houve também clamor de outras atletas por um olhar mais atento com a base e o desenvolvimento dos clubes no Brasil. É um momento-chave na continuidade da modalidade.

“Não vai ter uma Formiga para sempre, uma Marta, uma Cristiane. O futebol feminino depende de vocês para sobreviver. Pensem nisso, valorizem mais. Chorem no começo para sorrir no fim”, desabafou Marta após a eliminação para a França.

O que fizemos na última década?

Formiga e Cristiane não jogarão outra Copa. Marta ainda não sabe se ficará para mais um ciclo.

Há 12 anos, a Seleção era vice-campeã no Mundial de 2007. Marta e a geração mais vitoriosa do futebol feminino do país subiam ao pódio com uma faixa pedindo apoio. A sensação que fica nesta Copa do Mundo é que, apesar de tudo que a geração delas fez, o Brasil demorou para se mexer e desperdiçou a oportunidade de fazer bem mais. Sobretudo no desenvolvimento dos talentos que tem espalhados e talvez perdidos pelo país.

“É óbvio que a gente perdeu muito tempo para fazer. Com aquela geração que a gente teve, de 2004 até 2008, era o momento ideal para começar a lapidar outros talentos. Continuar a crescer o futebol feminino. Aquela geração passou. Era um time brilhante. Infelizmente, a gente perdeu o momento de aproveitar aquela grande equipe para dar o apoio necessário. Começar de logo cedo”, disse Marta, após a eliminação do Brasil.

E agora?

Algoz nas oitavas, a França talvez seja um bom exemplo de trabalho a longo prazo – como Inglaterra e até a Espanha. Seleções que tinham menos tradição que o Brasil no futebol feminino, mas que trabalharam duro na última década no fomento da base e dos torneios nacionais. Não por acaso a base do Lyon, hexacampeão da Europa, está na seleção anfitriã do Mundial.

“O trabalho não vai fazer efeito em meses. São coisas que acontecem em anos e anos. Se a França hoje está no momento dela, é porque essas meninas jogam juntas há 300 anos. Inclusive, é a base do Lyon. Enfim, é um trabalho contínuo. Não dá para fazer em curto prazo”, analisou Marta.

Marta, Cristiane e Formiga (em sua sétima Copa!) não são eternas e não iam ficar para sempre na Seleção. Como Pretinha, Daniela Alves, Roseli e tantas outras também tiveram que se despedir. O desabafo de Marta foi direcionado às jogadoras mais novas, pedindo profissionalismo. Deu a entender que as jovens atletas precisam valorizar mais o caminho construído por sua geração.

O discurso é partilhado também por Cristiane, que antes mesmo do início da Copa já havia apontado em entrevistas a preocupação com o futuro da Seleção. Após o jogo, Marta explicou que sua crítica não era específica a algumas colegas, e sim falando do futebol brasileiro de modo geral. De como é feito o trabalho também nos clubes nacionais.

– Hoje, estamos vendo que as coisas estão melhorando. Não podemos negar. Olho para trás e vejo que melhorou bastante, que nem sempre a gente valoriza isso como deveria. É isso que a gente precisa colocar na cabeça dessas meninas. É um apelo. A gente quer cobrar, mas também tem que ser cobrada. No sentido de melhorar, se cuidar, treinar e viver como atleta. Vai dizer que não tomo uma cerveja? Tomo. Na hora que é conveniente – afirmou a camisa 10.

E a CBF?

No discurso das atletas pós-jogo, a entidade que rege o futebol brasileira foi poupada de críticas. Por mais que atualmente se tenha uma estrutura profissional e um tratamento correto às atletas, esse processo foi, de fato, considerado tardio, com percalços e decisões equivocadas pelo caminho.

Base e campeonato brasileiro

Só recentemente se tornou obrigatório aos clubes a formação de times de futebol feminino. Não por acaso as atletas brasileiras estão espalhadas jogando em ligas de diversos países, o que atrapalhou muito o processo de preparação da Copa. O Brasil também demorou muito para organizar campeonatos de base para a busca de talentos – apenas este ano terá um torneio sub-20 local.

A imensa maioria das atletas que hoje representam a seleção brasileira sequer tiveram formação em categorias base. Iniciaram suas trajetórias jogando nas ruas, nos campos de grama sintética e até nas areias das praias do país.

Sobre o trabalho do técnico Vadão, alvo de contestação pelos resultados antes da Copa, o futuro é incerto. Questionado após o jogo, o treinador disse que a permanência está nas mãos da CBF.

“Quando retornei, recebi o convite, a CBF fez um ciclo até a Olimpíada, porque é em seguida. Cabe ao presidente analisar o que aconteceu, ver se é válida a continuidade ou não. (…) A gente entende que houve um certo grau de desgaste, mas o presidente bancou nossa permanência e, embora não tenhamos passado, acho que fizemos uma Copa, dentro de campo, muito boa. Agora cabe à direção tomar a atitude que achar melhor, cabe a pergunta ao Marco Aurélio (diretor da seleção) e à CBF”, disse Vadão.

Com a eliminação, as atletas brasileiras deixam a França nesta segunda-feira. Com uma campanha marcada por muitas lesões e desfalques importantes, o Brasil foi eliminado fazendo jogo duro diante das donas da casa. O gol de Amandine Henry saiu apenas no segundo tempo da prorrogação.

Fonte: GE

Esporte

Rodrigo Caio e Arrascaeta fazem Flamengo economizar quase R$ 15 milhões

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Com a perspectiva de um ano apertado do ponto de vista financeiro, o Flamengo pode economizar quase R$ 15 milhões em função do desempenho de dois de seus principais jogadores. O zagueiro Rodrigo Caio e o meia Arrascaeta não alcançaram os números de minutos previstos em contrato para que o clube comprasse um pertencual a mais dos dois jogadores.

No caso de Arrascaeta, o Flamengo vai economizar 1.2 milhão de euros (R$ 8,4 milhões) pelo fato de o jogador não ter batido a meta de mais de 4 mil minutos em campo no seu segundo ano de contrato, 2020. Faltou pouco, 167 minutos.

Ficou acordado em contrato que o Flamengo teria que comprar o percentual de 25% que caberia ao Defensor, do Uruguai, caso o jogador atuasse por mais de quatro mil minutos ao fim de cada uma das quatro temporadas de contrato.

O que não aconteceu em 2019 e nem em 2020. Na verdade, a quantia deveria ser repassada ao empresário de Arrascaeta, Daniel Fonseca, que comprou a parte do Defensor logo após a negociação. E esperava que o Flamengo adquirisse o percentual no momento da renovação com o jogador.

Vale lembrar que o clube da Gávea pagou R$ 63,7 milhões para comprar o uruguaio do Cruzeiro, em 2019. Na ocasião, o Flamengo investiu 18 milhões de euros por 75% – 13 pelos 50% do Cruzeiro e 5 por 25% do Defensor.

A diretoria também vai poupar com a situação de Rodrigo Caio, que ficou longe do tempo estipulado em função de muitas lesões e convocações.

O Flamengo comprou 15% dos direitos do jogador ao São Paulo após o primeiro ano de contrato, e totaliza 60%. Para comprar mais 15%, por 1 milhão de euros (R$ 6,8 milhões) seria necessário o jogador estar em campo também por 4 mil minutos ou mais.

Em 2020, Rodrigo atuou apenas em 32 jogos. Quase metade da temporada anterior. Hoje, o Flamengo segue com 60% dos direitos, o São Paulo com 30% e o atleta com 10%.

Metade dos jogos

Em janeiro de 2019, Rodrigo foi anunciado como o primeiro reforço da gestão de Rodolfo Landim. Ele custou R$ 21.2 milhões. No ano passado, o camisa 3 jogou 60 partidas e marcou cinco gols.

A diretoria está atenta a situação do jogador, que segue valorizado e lembrado pelo tétnico Tite. O nome de Rodrigo Caio foi ventilado pela imprensa catalã como possível reforço do Barcelona no ano passado, mas nunca houve uma proposta formal e o defensor brasileiro permaneceu no Flamengo.

No caso do uruguaio, ficou combinado entre Arrascaeta e Flamengo que o uma valorização seria colocada em pauta ao fim do Brasileiro. No entanto, já houve a sinalização de que não há dinheiro no momento para promover Arrascaeta ao patamar salarial das principais estrelas, como Gabigol, em função do orçamento previsto para 2021.

Fonte: Extra

Continue Lendo

Futebol

Ex-técnico do Altos, Ruy Scarpino, morre vítima da Covid-19

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Luís Junior

Morreu nessa quarta-feira (03/03)), vítima da Covid-19, o ex-treinador da equipe do Altos-PI, Ruy Scarpino. O óbito ocorreu na cidade de Manaus, no Amazonas, onde Ruy estava internado há desde o último dia 28 de fevereiro.

O técnico, que passou pelo Altos em 2017, estava comandando o Amazonas Futebol Clube, no entanto, teve que se afastar das funções após contrair a doença.

Em suas redes sociais, a equipe do Altos prestou homenagem ao profissional. Veja:

Continue Lendo

Futebol

Palmeiras abre dois gols, mas Corinthians arranca o empate no Derby

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Rodrigo Coca

Debaixo de uma chuva torrencial, Corinthians e Palmeiras ficaram no empate por 2 a 2 na Neo Química Arena, na noite desta quarta-feira, pela segunda rodada do Campeonato Paulista. O Verdão chegou a abrir dois gols de vantagem, mas o Timão buscou a igualdade em um jogo repleto de jovens promessas das categorias de base dos dois clubes.

Polêmica
Antes da bola rolar, dois acontecimentos esquentaram o clima. Primeiro, a Gaviões da Fiel e o Corinthians se recusaram a desmontar o mosaico montado nos setores Leste do estádio. “Mundial 2000 – 2012. Nunca serão” foi a provocação alvinegra que a PM gostaria de impedir. Sem opção diante das recusas, a PM avisou que notificaria o Ministério Público, mas o mosaico ficou intacto.

Já o Palmeiras decidiu ignorar o Derby em suas redes sociais. Nenhuma postagem foi feita em protesto ao fato da Federação Paulista de Futebol ter se recusado a alterar a data do jogo. A diretoria palmeirense não queria disputar o Derby em meio as finais da Copa do Brasil.

Resumo
Com a bola rolando, o jogo mal começou e logo deu para perceber a superioridade palmeirense, mesmo com time todo reserva. Bastou um erro de Cantillo na saída de bola para os visitantes abrirem o placar. Contra-ataque fatal, Lucas Lima passou por Gil e mandou para o gol.

O posicionamento corintiano sem a bola não melhorou e, aos 25, o Palmeiras aproveitou outro contra-ataque para ampliar. Willian serviu Gabriel Silva, que chegou batendo para as redes.

De repente, um verdadeiro temporal atingiu o local do jogo. O gramado ficou cheio de poças e o jogo passou a acontecer pelo alto.

Assim, o Corinthians, desfalcado de 10 jogadores devido a um surto de covod-19, equilibrou as ações e diminuiu. Jemerson mandou para a área e a bola caiu nos pés de Vital, que não desperdiçou a chance.

Gol fundamental antes do intervalo, principalmente porque no primeiro lance da etapa final, Rodrigo Varanda soube aproveitar passe de Vital para empatar o Derby.

A chuva diminuiu, assim como o ritmo do jogo, apesar da melhora do gramado. Mancini e Abel aproveitaram para usar o banco de reservas, mas o panorama pouco mudou e o placar não foi mais alterado.

E agora?
No próximo domingo, o Corinthians vai receber a Ponte Preta na Neo Química Arena, às 11 horas, pela terceira rodada do Paulistão.

No mesmo dia, às 18 horas, o Palmeiras jogará no Allianz Parque, contra o Grêmio, pela final da Copa do Brasil. No jogo de ida, o Verdão venceu por 1 a 0 no Sul. Pelo Estadual, os palmeirenses voltam a campo na quinta-feira da semana que vem, às 19 horas, em casa, para enfrentar o São Caetano.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 2 PALMEIRAS

Local: Neo Química Arena, em São Paulo (SP)
Data: 3 de março de 2021, quarta-feira
Horário: 19 horas (de Brasília)
Árbitro: Edina Alves Batista
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Neuza Ines Back
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Cartões amarelos: Otero, Xavier (COR); Fabinho, Renan (PAL)

GOLS
Corinthians: Mateus Vital, aos 35 minutos do 1T, Rodrigo Varanda, aos 2 minutos do 2T
Palmeiras: Lucas Lima, aos 4, e Gabriel Silva, aos 25 minutos do 1TCORINTHIANS: Matheus Donelli; Bruno Méndez, Jemerson, Gil e Lucas Piton; Roni e Cantillo (Xavier); Mateus Vital (Antony), Cazares (Otero) e Rodrigo Varanda (Luan); Jô
Técnico: Vagner Mancini

PALMEIRAS: Vinícius Silvestre; Gabriel Menino (Fabinho), Luan, Renan e Lucas Esteves; Danilo; Breno Lopes, Lucas Lima (Victor Luis), Scarpa (Giovani) e Willian (Gustavo Garcia); Gabriel Silva (Rafael Elias)
Técnico: Abel Ferreira

Fonte: Gazeta Esportiva

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat