Siga as Redes Sociais

Esporte

Rússia é excluída da Copa do Catar e da Olimpíada de Tóquio

Publicado

em

Foto: Jim Young/Reuters

A Agência Mundial Antidoping (Wada) decidiu excluir a Rússia de grandes competições esportivas durante quatro anos por falsificação de dados dos controles entregues à entidade. Assim, o país não poderá ser representado nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e de Inverno de Pequim 2022, além de Mundiais de todas as modalidades, o que inclui a Copa do Catar 2022.

A Rússia também não poderá organizar disputas desse nível em seu território. A Eurocopa 2020 não corre perigo de perder São Petersburgo como uma das 12 sedes, pois não está categorizada no grupo de competições restringidas.

A Rússia ainda pode – e deve – recorrer da decisão no TAS (Tribunal Arbitral do Esporte, na sigla em francês). Os atletas do país que passarem por testes antidoping poderão competir sob bandeira neutra.

– Por muito tempo o doping russo prejudicou o esporte limpo. A violação flagrante pelas autoridades russas das condições de restabelecimento da Rusada (Agência Antidoping da Rússia), aprovadas pelo Comitê Executivo em setembro de 2018, exigiu uma resposta robusta. É exatamente isso que foi entregue hoje. A Rússia teve a oportunidade de colocar sua casa em ordem e voltar a se juntar à comunidade internacional antidoping para o bem de seus atletas e a integridade do esporte, mas optou por continuar na sua posição de fraude e negação. Como resultado, o Comitê Executivo da Wada respondeu nos termos mais fortes possíveis, protegendo o direito dos atletas russos, que podem provar que eles não estavam envolvidos e não se beneficiaram desses atos fraudulentos – afirmou em nota Craig Reedie, presidente da Wada.

O anúncio foi feito por um porta-voz da agência depois de uma reunião do comitê executivo nesta segunda-feira, em Lausanne, em que a votação unânime decidiu pela suspensão dos russos.

– A lista completa de recomendações (de sanções por parte do Comitê de Revisão de Conformidade, CRC) foi aprovada por unanimidade pelos 12 membros do comitê executivo – disse o porta-voz.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) chegou a excluir a Rússia dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e de Inverno de Pyeongchang 2018, mas deixou nas mãos das federações nacionais a decisão de executar a suspensão. O COI ainda não se pronunciou sobre a decisão da Wada desta segunda-feira, mas já indicou que deve seguir o estipulado pela entidade.

Os russos já competiram como atletas neutros no Mundial de atletismo deste ano e conquistaram dois títulos, com Mariya Lasitskene (salto em altura) e Anzhelika Sidorova (salto com vara). No Mundial de natação foram mais foram mais três ouros de atletas russos: Yuliya Yefimova (200m peito), Anton Chupkov (200m peito) e Evgeny Ryov (200m costas). A Rússia ainda conquistou três títulos no Mundial de ginástica artística, com a equipe masculina e dois com Nikita Nagornyy (individual geral e salto).

Todos esses atletas agora precisam provar que estão limpos e foram submetidos a testes rigorosos antidopagem para serem elegíveis a competir como atletas neutros na Olimpíada. Caso o COI siga o posicionamento que teve nos Jogos de Inverno de PyeongChang, equipes russas de esportes coletivos devem passar pelo mesmo processo.

Apesar de forte, a punição estipulada pela Wada nesta segunda-feira ainda abriu uma brecha para a participação dos atletas russos sob bandeira neutra, contrariando o pedido da Comissão de Atletas da entidade. No domingo, véspera da reunião decisiva, nove dos 17 membros dessa comissão divulgaram uma nota em que pediam o banimento total da Rússia, sem a prerrogativa de os russos competirem como neutros.

Fonte: Globo Esporte

Olimpíada

Simone Biles é retirada de final por equipes na ginástica e vive drama em Tóquio

Publicado

em

Foto: Getty Images

A ginasta Simone Biles ficou fora da final por equipes do time dos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 nesta terça-feira. Sem ela, o time americano perdeu o ouro para as rivais russas. A americana viveu talvez o maior de seus dramas em competições internacionais. No Centro de Ginástica Ariake, ela se perdeu em um movimento simples e de sua especialidade, pisou torto na aterrissagem do salto e possivelmente sentiu o tornozelo. A falha foi em seu primeiro aparelho na final por equipes. Imediatamente foi retirada da disputa pelo treinador.

Os Estados Unidos não divulgaram claramente o motivo da retirada de Simone Biles das provas. Ela também vem sendo muito cobrada para ganhar tudo, uma pressão que parecia não ter na edição dos Jogos do Rio-2016. Dona de quatro medalhas de ouro e um bronze há cinco anos, a ginasta de 24 anos está classificada para outras cinco finais individuais em Tóquio. Ela se garantiu nas provas mesmo não tendo feito apresentações perfeitas.

O jornal americano The New York Timesinforma que ela havia planejado fazer um salto em Yurchenko com duas voltas e meia na saída, mas mudou de ideia e executou o movimento com apenas uma volta e meia sobre o corpo. Foi quando ela caiu mal. Os pés não ficaram juntos. O salto errado foi um golpe enorme também para a equipe dos Estados Unidos, que não tiveram forças para reagir. O salto recebeu 5,0 pela dificuldade. Sua pontuação total foi de 13,766 – extremamente raro para alguém com seu histórico e habilidade na ginástica.

Dessa forma, Simone Biles abandonou a competição por equipes, de acordo com Carol Fabrizio, porta-voz da ginástica americana em Tóquio. Fabrice não explicou o motivo da desistência. Mas há muita preocupação. A Confederação de Ginástica dos Estados Unidos soltou um comunicado que não diz muita coisa. “Simone desistiu da competição final por equipes devido a um problema médico. Ela será avaliada diariamente para determinar a liberação para competições futuras”. Não se sabe qual é o grau da lesão da competidora.

De qualquer forma, ela tem mais dois dias para se colocar em pé novamente. Se não tiver condições, possivelmente chegará a notícia de sua desistência. Se a contusão tiver dor suportável para ela, Simone Biles poderá pedir para competir. Nenhuma outra atleta é chamada em seu lugar para as decisões.

Fonte: Estadão Conteúdo

Continue Lendo

Olimpíada

Brasil vence a Zâmbia, avança em 2º e enfrenta o Canadá nas quartas

Publicado

em

Foto: Getty Images

 A seleção feminina de futebol brasileira venceu a equipe de Zâmbia por 1 a 0 na manhã desta terça-feira (27), no encerramento da primeira fase das Olimpíadas de Tóquio.

O Brasil teve uma jogadora a mais desde os 12 minutos do primeiro tempo durante toda a partida, mas não converteu a superioridade numérica num placar elástico.

O único gol da partida foi marcado por Andressa Alves, de falta, aos 18 minutos da primeira etapa.

Com o resultado, as brasileiras se classificaram na segunda colocação do grupo F, com 7 pontos. A pontuação é a mesma da Holanda, mas as europeias levam vantagem no saldo de gols (13 a 6). O adversário das quartas de final será o Canadá, às 5h de sexta-feira (30).

BRASIL


Bárbara; Letícia Santos, Poliana (Bruna Benites, aos 19/2ºT), Rafaelle e Jucinara; Formiga (Julia, no intervalo), Angelina, Andressa Alves (Debinha, aos 35/2ºT) e Marta (Duda, no intervalo); Bia Zaneratto (Giovana, aos 27/1ºT) e Ludmila (Geyse, aos 19/2ºT). T.: Pia Sundhage

ZÂMBIA

Nali (Musole, aos 17/1ºT); Belemu, Agness Musasi, Mweemba e Martha Tembo; Lungu, Kundananji (Evarine Katongo, aos 47/2ºT), Chitundu (Vast Phiri, aos 17/1ºT), Chanda e Lubandji; Babra Banda. T.: Bruce Mwape

Local: Estádio Saitama, em Saitama (Japão)
Árbitra: Yoshimi Yamashita (Japão)
Cartão amarelo: Angelina (Brasil)
Cartão vermelho: Mweemba (Zâmbia)
Gol: Andressa Alves, aos 18/1ºT (1-0).

Fonte: Folhapress

Continue Lendo

Olimpíada

Ítalo Ferreira é ouro em Tóquio e 1º campeão olímpico no surfe

Publicado

em

Foto: Jonne Roriz/COB

O brasileiro Ítalo Ferreira tirou onda, ou melhor, dominou as ondas na Praia de Tsurigasaki, onde ocorreram as disputas do surfe na Olimpíada de Tóquio (Japão). O potiguar conquistou na madrugada desta terça-feira (27) a primeira medalha de ouro  do surfe, modalidade estreante nos Jogos Olímpicos. Atual campeão mundial, Ítalo dominou a final contra o japonês Kanoa Igarashi, vencendo  por 15.14 a 6.6. A medalha de bronze ficou com o australiano Owen Wright, que venceu o brasileiro Gabriel Medina por 11.97 a 11.77 na disputa pelo pódio.

“Muito feliz. Foi um dia incrível, especial, trabalhei muito para isso e acreditei. É incrível.”, disse Ítalo ao site do Comitê Olímpico Brasileiro (COB)

Moradores de Baía Formosa (RN), cidade Natal do campeão, comemoraram o primeiro ouro para o país em Tóquio.

Na estreia da competição, Ítalo liderou a primeira bateria, com o somatório de pontos de 13.67. Com esta pontuação, ele ficou à frente do japonês Hiroto Ohhara (11.40), do italiano Leonardo Fioravanti (9.43) e do argentino Lele Usuna (8.27).

Classificado para as oitavas de final, o brasileiro derrotou o neozelandês Billy Stairmand por 14.54 a 9.67. Nas quartas, ele voltou a encarar o japonês Hiroto Ohhara, que esteve presente na bateria inicial. Ítalo mais uma vez levou vantagem, e derrotou o oponente por 16.3 a 11.9.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat