Siga as Redes Sociais

Mundo

Guaidó convoca novas manifestação contra Maduro

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

O autoproclamado presidente interino Juan Guaidó postou logo cedo nesta quarta-feira (1º) uma mensagem no Twitter instando os opositores de Nicolás Maduro a saírem às ruas novamente na Venezuela no Dia do Trabalhador. “Seguimos com mais força que nunca”, diz.

A tentativa de novas mobilizações vem na sequência de um dia de distúrbios na Venezuela, em especial na capital Caracas, onde Guaidó tentou liderar um levante militar. A ONG Foro Penal contabilizou 119 detidos pelo país.

Apoiadores de Maduro também já começam a se mobilizar. Um grupo fez vigília diante do palácio presidencial de Miraflores. A milícia bolivariana, formada por ex-militares e civis treinados para defender a revolução chavista também estava postada perto da sede do governo, conforme indicam fotos da agência AFP.

Integrantes da milícia bolivariana desfilam diante do Palácio Presidencial de Miraflores nesta quarta-feira (1º), em apoio o governo de Nicolás Maduro — Foto: AFP/Yuri Cortez

Na terça-feira (1º), o presidente autoproclamado apareceu com outro líder oposicionista, Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar, e um grupo de soldados desertores, perto da base aérea La Carlota, considerada estratégica para a Venezuela, nas primeiras horas da manhã.

O líder oposicionista afirmava que conquistou o apoio dos militares venezuelanos, o que o regime chavista rechaçou. Houve confronto, e dezenas de pessoas ficaram feridas – a imprensa local cita 57.

A ONG Provea afirma, ainda, que um homem de 24 anos, identificado como Samuel Enrique Méndez, morreu na terça-feira durante protestos ocorridos no estado de Aragua. 

A informação não foi confirmada por fontes oficiais, mas um deputado oposicionista postou em rede social um vídeo que mostra um grupo de jovens andando por uma rua carregando o corpo que seria de Samuel, cantando o hino nacional venezuelano.

Fonte: G1

Mundo

Alemanha e França anunciam lockdown parcial após explosão de casos de Covid-19

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Os governos da Alemanha e da França anunciaram nesta quarta-feira (28) um lockdown parcial para conter a segunda onda do novo coronavírus nos dos países. A Europa vive um aumento rápido dos casos de Covid-19, considerada uma segunda onda da pandemia. 

No caso alemão, bares, restaurantes e outros estabelecimentos ficarão fechados por quatro semanas a partir de segunda (2), mas escolas e comércio permanecem abertos. 

Já na França, as restrições começam nesta sexta-feira (30) e durarão até 1ª de dezembro, no mínimo, e os comércios não essenciais também permanecerão fechados. Só escolas e atividades consideradas fundamentais ficam abertas. 

Veja mais detalhes abaixo

  • Alemanha

Em reunião com autoridades locais, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que os números da Covid aumentaram rápido demais no país e que o nível dos contágios fugiu de controle. 

“Estamos agora em um ponto em que, pela média nacional, não sabemos mais de onde vieram 75% das infecções. Só conseguimos verificar 25%”, explicou Merkel.

A decisão foi tomada depois que autoridades de saúde alemãs registraram quase 15 mil novos casos em 24 horas — o maior número de diagnósticos diários no país desde o início da pandemia. São mais de 449 mil casos de Covid-19 desde o começo da crise sanitária na Alemanha. 

Segundo o governo alemão, os hospitais do país ainda têm capacidade de lidar, em número de leitos, com os infectados pela doença. Porém, há o temor de que a ocupação hospitalar se torne um problema nas próximas semanas.

A decisão foi tomada depois que autoridades de saúde alemãs registraram quase 15 mil novos casos em 24 horas — o maior número de diagnósticos diários no país desde o início da pandemia. São mais de 449 mil casos de Covid-19 desde o começo da crise sanitária na Alemanha. 

Segundo o governo alemão, os hospitais do país ainda têm capacidade de lidar, em número de leitos, com os infectados pela doença. Porém, há o temor de que a ocupação hospitalar se torne um problema nas próximas semanas.

  • França

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou a retomada de medidas como o fechamento de bares, restaurantes e comércios e a volta da exigência de atestados para que as pessoas possam circular nas ruas. 

Para ele, o impacto da segunda onda da Covid-19 será pior do que o primeiro pico da doença no país, entre março e abril. 

“A segunda onda será sem dúvidas mais dura e mortal do que a primeira”, disse Macron.

Fonte: G1

Continue Lendo

Mundo

Sputnik V: Rússia pede autorização de emergência à OMS para lançar vacina

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

A Rússia anunciou nesta terça-feira (27/10) que pediu à Organização Mundial de Saúde (OMS) uma autorização de emergência para o uso da vacina contra a Covid-19, Sputnik V.

Segundo a imprensa internacional, o fundo estatal russo que coordena a produção da vacina apresentou pedidos à organização para o registro urgente da Sputnik V na Lista de Uso de Emergência (EUL, sigla em inglês) e para pré-qualificação do tratamento, indicado para pacientes entre os 18 e os 60 anos.

A vacina russa- a primeira a ser registada em 11 de agosto deste ano – tem sido vista com desconfiança pela comunidade científica, tanto pela celeridade da sua criação, bem como pelo fato do instituto responsável pelo seu desenvolvimento não ter produzidonenhuma vacina nos últimos 30 anos. Ainda assim, cerca de 50 países já realizaram encomendas de doses daSputnik V.

A vacina russa- a primeira a ser registada em 11 de agosto deste ano – tem sido vista com desconfiança pela comunidade científica, tanto pela celeridade da sua criação, bem como pelo fato do instituto responsável pelo seu desenvolvimento não ter produzidonenhuma vacina nos últimos 30 anos. Ainda assim, cerca de 50 países já realizaram encomendas de doses daSputnik V.

Vale lembrar que em 25 de setembro a OMS divulgou os critérios para avaliar as vacinascandidatas para potencial uso de emergência.

Fonte: Notícias ao Minuto

Continue Lendo

Mundo

Nasa diz que encontrou moléculas de água na superfície da Lua

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Nasa

A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, anunciou nesta segunda-feira (26) que um estudo confirmou a existência de moléculas de água na superfície lunar. O anúncio é a confirmação de indícios já levantados por pesquisadores desde a década passada.

Os cientistas disseram que a água encontrada no satélite está espalhada, com moléculas presas em grãos minerais.

A pesquisadora da Nasa, Casey Honniball, principal autora do estudo que confirmou a existência de água na Lua, destaca que a detecção feita em sua pesquisa não é de água em forma de gelo.

“São apenas as moléculas de água – porque estão tão espalhadas que não interagem umas com as outras para formar gelo ou estar na forma líquida” – Casey Honniball, pesquisadora da Nasa

Os pesquisadores usaram dados do observatório Sofia, uma aeronave Boeing 747SP modificada para carregar um telescópio, que mostra uma visão mais ampla do sistema solar e do universo.

O observatório detectou moléculas de água na Cratera Clavius, uma das maiores crateras visíveis da Terra.

Suspeitas confirmadas

O astrônomo Cássio Barbosa explica que o anúncio “é uma confirmação direta da existência de água na lua”, sobre a qual já existiam suspeitas.

“Os métodos anteriores davam margem a dúvidas, ainda que pequenas. Esse resultado é muito mais robusto” – Cássio Barbosa, astrônomo

De acordo com Cássio, a descoberta é estratégica: ela pode ser útil para a colonização da Lua. “A água pode ser usada para abastecer as estações espaciais, mas também pode ser decomposta em hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio, quando queima, libera muita energia e pode servir de combustível. Já o oxigênio servirá para manter a atmosfera dessa base lunar”, disse Cássio.

Fonte: G1

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat