Siga as Redes Sociais

Notícias

Claudia Rodrigues é internada inconsciente no Rio de Janeiro

Redação Encarando

Publicado

em

A atriz Claudia Rodrigues, de 47 anos, está internada no Rio de Janeiro. Segundo informações de O Fuxico, a atriz se sentiu mal nesta quarta-feira (20/3) e foi levada à clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Segundo o site, a atriz estaria inconsciente e o quadro clínico inspira cuidados. A empresária e amiga de Claudia, Adriane Bonato, pediu orações.

Claudia Rodrigues sofre de esclerose múltipla há cerca de 19 anos.

Comente

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Julgamento no STF sobre vacinação obrigatória contra a covid-19 será no dia 11

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Altemar Alcantara/Semco

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, pautou para o próximo dia 11 o julgamento de duas ações que tratam da obrigatoriedade de vacinação contra a covid-19. O tema será analisado no Plenário virtual do Supremo com previsão de término no dia 18.

O ministro só disponibilizará seus votos sobre o assunto após o início do julgamento de duas ações que discutem se o governo Bolsonaro deve adquirir a vacina Coronavac, produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã. A análise do caso está prevista para esta sexta, 4.

Lewandowski diz não querer que ‘haja confusão’ entre os objetos de cada julgamento.

As ações que discutem a obrigatoriedade da vacinação contra a covid foram ajuizadas pelo PDT e pelo PTB, com pedidos diferentes. O primeiro quer que o Supremo que reconheça a competência de Estados e municípios para determinar a vacinação compulsória, enquanto o segundo pede que tal possibilidade seja declarada inconstitucional.

Em pareceres enviados ao Supremo, o governo Bolsonaro alegou que prefeitos e governadores não podem decidir sobre vacinação compulsória de covid-19 e que se tal cenário ocorrer, a decisão da Corte levaria a um ‘verdadeiro surrealismo federativo’. Para o governo, a medida poderia gerar até ‘atos de violência e ódio inéditos e absolutamente indesejados no histórico equilíbrio federativo brasileiro’.

A Advocacia-Geral da União, por sua vez, afirmou que o debate sobre a obrigatoriedade de vacinação é prematuro, visto que não há, no momento, nenhum imunizante autorizado no País. Por isso, qualquer decisão judicial sobre o assunto seria ‘desprovida de respaldo técnico-científico’.

“Uma vez que não há vacina disponível, a atribuição a priori de compulsoriedade geral à vacinação contra o covid-19 refletiria uma decisão desprovida de respaldo técnico-científico, que restringiria indevidamente o âmbito de atuação dos demais Poderes na formulação de uma política pública de vacinação adequada”, alertou a AGU.

Compra de vacinas

Já no âmbito das ações sobre a compra de vacinas, Ricardo Lewandowski já divulgou seu voto, afirmando que não cabe ao Estado brasileiro se pautar por ‘critérios políticos, partidários ou ideológicos’ ao escolher as vacinas contra covid-19 que serão distribuídas à população.

“Entendo que o Estado brasileiro não pode pautar-se por critérios políticos, partidários ou ideológicos para escolher ou rejeitar vacinas e respectivos insumos, nem discriminá-las com base apenas em sua origem, e muito menos repudiá-las por razões de caráter subjetivo, não lhe sendo lícito abrir mão de qualquer imunizante que venha a mostrar-se eficaz e seguro contra a covid-19”, afirmou Lewandowski.

O entendimento foi apresentado no âmbito de dois processos movidos por partidos da oposição após o presidente Jair Bolsonaro desautorizar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no anúncio de um termo de intenções para a aquisição de 46 milhões de doses da Coronavac. A reação do Planalto foi motivada por apoiadores do presidente, que criticaram a escolha do imunizante – alvo de disputa política entre Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A Rede alega que o presidente agiu violando o direito à vida e à saúde com o objetivo de ‘privar a população brasileira de uma possibilidade de prevenção da covid-19 por puro preconceito ideológico’, enquanto o PCdoB, PSOL, PT, PSB e Cidadania foram ao Supremo para garantir que a União não atue para impedir o desenvolvimento da Coronavac no País.

Em seu voto, Lewandowski nega o pedido para obrigar o governo federal a assinar o protocolo de intenções para adquirir a Coronavac, mas atende os pleitos dos partidos da oposição para obrigar o governo federal a tornar pública a estratégia de vacinação contra a covid, que deverá contemplar ‘a aquisição e distribuição universal de todas as vacinas disponíveis no mercado interno e internacional, comprovadamente eficazes e seguras’.

“Entendo que o Estado brasileiro não pode pautar-se por critérios políticos, partidários ou ideológicos para escolher ou rejeitar vacinas e respectivos insumos, nem discriminá-las com base apenas em sua origem, e muito menos repudiá-las por razões de caráter subjetivo, não lhe sendo lícito abrir mão de qualquer imunizante que venha a mostrar-se eficaz e seguro contra a covid-19”, afirmou Lewandowski.

Fonte: Estadão Conteúdo

Continue Lendo

Piauí

Wellington Dias afirma que estado não terá lockdown e fala sobre plano de vacinação contra Covid-19

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

O governador Wellington Dia (PT), afirmou nesta terça-feira (01/12), que o estado não terá um novo decreto de lockdown e negou que o estado esteja passando por uma segunda onda da covid-19.Pelo contrário, o chefe do executivo informou que o Piauí segue em instabilidade, no entanto, reforçou a necessidade da manutenção das medidas de segurança.

 “Aqui não há nenhuma decisão tomada pelo Governo do Piauí, através do Comitê Emergencial de Lockdown, porque a meta que estabelecemos é para evitar uma situação para que cheguemos ao extremo. Vamos seguir trabalhando para garantir, como meta, o cumprimento das regras estabelecidas, as medidas sanitárias, distanciamento social, evitando aglomerações, este é o caminho que nos trouxe até aqui, e conseguimos resultados que nos permitem uma situação de estabilização”, afirmou. 

O governador disse ainda que foi elaborado o plano estadual de vacinação contra o coronavírus, e que deve haver vacina nos 224 municípios do estado.

“Vamos ter vacinação em todos os municípios. O Piauí busca fazer sua parte e agir com celeridade, vejamos que embora o Governo Federal esteja ouvindo todos os Estados, e consolidando o plano nacional, o Estado do Piauí debruçou-se sobre sua própria realidade e está hoje apresentando um plano estratégico, o plano reconhece que teremos grupos estratégicos e alvos, o nosso plano faz um estudo da situação hoje das pesquisas que resultarão nas pesquisas que serão aprovadas, podendo assim esquematizar a produção, estágio de testagem, aprovação, nosso plano também desafio o monitoramento, questão orçamentário e operacionalização da campanha. No plano trazemos as estratégias de vacinação, onde todas as esferas estão envolvidas”, disse. 

Continue Lendo

Teresina

Equipes da Prefeitura de Teresina e Dr. Pessoa se reúnem para deliberar início da transição de mandato

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Divulgação

Representantes da Prefeitura de Teresina receberam, nesta terça-feira (01), os membros da equipe de transição do prefeito eleito Dr. Pessoa (MDB), para deliberar as questões necessárias para o início do próximo mandato. O prefeito Firmino Filho (PSDB), que também participou do encontro, ressaltou que a nova gestão vai receber uma administração organizada e com investimentos já garantidos para o futuro.

“Nós estamos terminando o ano com as contas em dia, pagando todos os fornecedores, não temos nenhum grande débito que está sendo deixado para o futuro. Essa é nossa obrigação como gestor e temos muitos recursos já contratados para investimentos futuros. São quase um R$ 1 bilhão que vão permitir que o próximo prefeito possa investir muito na cidade”, afirmou.

A equipe de transição da Prefeitura de Teresina vai servir de referência à equipe do prefeito eleito, repassando todas as informações para que o próximo governo inicie o planejamento das ações com conhecimento da realidade atual.

“Vamos trabalhar de forma ágil para facilitar o trabalho da próxima equipe que assumirá os órgãos municipais. A gestão está em pleno andamento e já é da tradição da Prefeitura de Teresina essa organização. Iremos entregar todos os documentos e informações que forem requisitados e de forma rápida, já que o período de transição este ano será mais curto. Inclusive, isso é determinação do prefeito Firmino filho, para que a cidade continue andando”, declarou o procurador geral do município e coordenador da equipe de transição da Prefeitura de Teresina, Raimundo Eugênio.

Além do procurador geral do município, a Comissão de Transição da Prefeitura de Teresina é composta pelo Secretário Municipal de Governo, Fernando Said; Secretário Municipal de Finanças, Francisco Canindé; Secretário Municipal de Planejamento e Coordenação, José João Braga; Secretária Municipal de Educação, Kátia Dantas; Secretário Municipal de Administração e Recursos Humanos, Raimundo Nonato Moura; e Presidente da Fundação Municipal de Saúde, Manoel de Moura Neto.

Durante o encontro, o coordenador da equipe de transição do próximo governo, o ex-ministro João Henrique, elogiou a receptividade e disponibilidade da atual gestão municipal em oferecer as informações necessárias durante o período de troca de governo.

“Queria agradecer pela maneira gentil que o prefeito está nos recebendo e tenho certeza que faremos um bom trabalho. Com essa equipe conjunta vamos criar as condições necessárias para ter uma gestão que cuide de Teresina”, afirmou. O coordenador também entregou ao gestor do município o ofício com a relação dos nomes que compõem a equipe de transição do futuro governo.

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat