Siga as Redes Sociais

Brasil

Fachin libera julgamento de denúncia contra Ciro e três políticos do PP

Karytha Leal

Publicado

em

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou para julgamento a denuncia da procuradoria Geral da Republica (PGR) contra o senador piauiense, Ciro Nogueira e mais três políticos do Partido Progressistas, acusados de integrar suposta organização criminosa para desviar dinheiro da Petrobrás.

Se a maioria dos ministros votar a favor do recebimento da denúncia, os investigados passarão à condição de réus e responderão a uma ação penal.

O eventual recebimento da denúncia pelos ministros não significa que os políticos são culpados. A partir da abertura da ação penal, provas deverão ser colhidas e testemunhas, ouvidas. Depois, os políticos serão julgados, podendo ser absolvidos ou condenados.

A Segunda Turma da Corte analisará os fatos em relação a quatro parlamentares reeleitos em 2018 e que, por isso, continuam com direito ao foro privilegiado:

  • Deputado Aguinaldo Ribeiro (PB);
  • Deputado Arthur Lira (AL);
  • Deputado Eduardo da Fonte (PE);
  • Senador Ciro Nogueira (PI).

Os quatro políticos negam as acusações. Saiba mais abaixo as versões de cada um deles sobre o caso.

Os políticos do PP foram denunciados em setembro de 2017. À época, 12 pessoas do partido foram acusadas no mesmo inquérito. Fachin, porém, enviou à primeira instância da Justiça Federal em Brasília as apurações em relação a quem não tem direito a foro privilegiado.

Saiba as versões dos políticos:

Eduardo da Fonte nega as acusações. Afirma que se trata de denúncia “manifestamente abusiva” que não descreve os elementos que levariam à ocorrência do crime de organização criminosa.

Aguinaldo Ribeiro também argumenta que não há provas na denúncia. O deputado diz que a acusação busca “criminalizar o ato político e o partido político”.

Arthur Lira também afirma que não há na denúncia descrição de como funcionaria tal organização criminosa e sustenta que a acusação é baseada apenas na palavra de delatores “as quais, de modo solitário, não são suficientes para conferir validade às proposições acusatórias”.

Ciro Nogueira diz que não há indícios que justifiquem a continuidade das apurações sobre o crime organização criminosa. O senador sustenta que não há “relação de causalidade de tal atividade política com algum ato ilícito (…) motivo pelo qualquer se impõe a consideração de tal teoria acusatória para o fim tão somente de reforçar a inexistência de justa causa para o recebimento da denúncia”.

Fonte: G1

Saúde

Covid-19 mata 10 pessoas e deixa 672 infectados em 24h no Piauí

Avatar

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi) divulgou nesta sexta-feira (15), que o estado do Piauí registrou em 24h, 10 óbitos e 672 casos de COVID-19. O estado já registrou 151.046 casos confirmados e 2.945 mortes.

Três mulheres e sete homens não resistiram às complicações do coronavírus. Elas eram das cidades de Boqueirão do Piauí (72 anos),Joaquim Pires (62 anos) e Oeiras (86 anos). Os do sexo masculino eram de Altos (81 anos), Batalha (91 anos), Joaquim Pires (60 anos), Monsenhor Hipólito (58 anos), Parnaíba (78 anos) e Teresina (63 e 72 anos). Três das vítimas da Covid-19 não possuíam comorbidades.

Os casos confirmados no estado somam 151.046 distribuídos em todos os municípios piauienses. Já os óbitos pelo novo coronavírus chegam a 2.945 e foram registrados em 203 municípios. Até agora, morreram 1.729 homens e 1.216 mulheres.

Continue Lendo

Brasil

Governador do Amazonas, Wilson Lima responsabiliza população e empresas por colapso na saúde e poupa Bolsonaro

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Em entrevista ao Metrópoles, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou que o estado “se preparou em tudo que era possível” para garantir o atendimento de pacientes acometidos pela Covid-19. Lima disse que o governo federal “tem sido um grande parceiro”, e apontou, como causas do colapso na rede de saúde pública, a postura da população e das empresas que fornecem oxigênio para as unidades médicas situadas na capital do estado.

O sistema de saúde do Amazonas vive uma situação de colapso, com o recrudescimento dos casos de infectados pelo novo coronavírus e a alta de mortes em decorrência da doença. Depois que as internações por Covid-19 bateram recorde na unidade federativa, os hospitais, sobrecarregados, ficaram sem oxigênio para pacientes. Médicos relataram nas redes sociais o desespero para tentar manter os pacientes vivos.

“Não adianta só um ente fazer a sua parte se toda a sociedade não estiver envolvida nesse processo, vai ser enxugar gelo. A gente vai estar o tempo todo abrindo leitos hospitalares e o tempo todo esses leitos vão estar sendo ocupados”, afirmou o governador do Amazonas. “Veja o que aconteceu agora, em relação às festas clandestinas. As pessoas ali na balada, bebendo, usando às vezes o mesmo copo, aquele copo que passa de boca em boca, e aí essa pessoa acaba levando o vírus para sua casa”, argumentou.

O chefe do Executivo do estado amazonense afirmou que entrou com uma ação contra as empresas que fornecem oxigênio para os hospitais de Manaus, com o objetivo de que elas sejam responsabilizadas. “O estado do Amazonas se preparou em tudo aquilo que era possível. Eu recebi o comunicado de que faltaria oxigênio efetivamente, que as empresas não teriam condições de abastecer na quantidade que a gente necessitava, durante a madrugada. E disseram que dali cinco horas teria hospital sem abastecimento”, informou.

De acordo com ele, a demanda por oxigênio na capital do Amazonas subiu de 15 mil para 70 mil metros cúbicos nos últimos 15 dias. Em maio de 2020, no primeiro pico da pandemia no estado, o consumo era de 30 mil metros cúbicos, segundo Wilson Lima. O governador também destacou a dificuldade logística de levar uma quantidade tão grande de oxigênio para Manaus. “Um avião cargueiro da Força Aérea traz, no máximo, 6 mil metros cúbicos – nossa demanda é de 70 mil”, afirmou. Lima não descartou aceitar o apoio do governo venezuelano para ter acesso ao recurso: “Nosso objetivo agora é salvar vidas”.

Wilson Lima declarou que tem recebido todo o apoio do governo federal. “Recebemos do governo federal equipamentos como bombas e respiradores, estamos sendo socorridos, nesse momento, com a questão das miniusinas, que estão chegando aqui no estado do Amazonas e serão instaladas nos hospitais”, disse. “O governo federal tem sido um grande parceiro do estado do Amazonas no combate à pandemia.”

Sobre a não adoção de medidas restritivas de circulação antes do colapso na rede pública de saúde, Lima afirmou que “tentou encontrar um equilíbrio”. “Todas as medidas de restrição que nós tomamos foram baseadas em orientações técnicas, levando em conta a dinâmica social do nosso povo. Quando a gente estabeleceu medidas mais restritivas, houve todo aquele movimento e as pessoas foram às ruas, o objetivo era evitar aglomerações. E o efeito acabou sendo o contrário. Então a gente tentou encontrar um equilíbrio, um caminho de meio-termo, para garantir a vida e também manter o mínimo de atividades em funcionamento. Todos os dias nós temos que tomar decisões difíceis”, afirmou.

Lima também falou da variante do novo coronavírus recém-identificada em Manaus. De acordo com ele, a cepa tem “potencial muito grande de transmissibilidade”. “Houve um aumento de pessoas procurando atendimento nos últimos dez dias”, apontou.

Ele também fez alertas aos governantes de outros estados: “Oriente sua população sobre medidas de distanciamento social, não há outro caminho para que a gente possa quebrar essa cadeia de transmissão. O que nós estamos vivendo aqui no estado do Amazonas é uma infecção por uma nova variante, que tem mutações que a gente ainda desconhece, mas que tem um poder muito grande de transmissibilidade. A gente não sabe com que gravidade e com que velocidade ela deve chegar ao restante do país”.

Na entrevista, Wilson Lima também falou dos pedidos de impeachment contra ele, das investigações em andamento da Operação Sangria, conduzida pela Polícia Federal, que apura supostas irregularidades em seu governo, e da expectativa pela vacina contra a Covid-19.


Fonte: Metrópoles

Continue Lendo

Saúde

Amazonas pede para transferir 60 bebês prematuros

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Bruno Kelly/Reuters

O Amazonas avisou aos outros estados que precisa transferir pelo menos 60 bebês prematuros. Eles estão internados em Manaus e também correm o risco de ficar sem oxigênio.

O pedido para que governadores chequem se há leitos de internação neonatal disponíveis foi feito na manhã desta sexta-feira (15). O presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e secretário de saúde do Maranhão, Carlos Lula confirmou a informação à CNN.

Segundo ele, o Maranhão vai conseguir receber de cinco a dez bebês. A logística para viabilizar a transferência ainda não foi definida. Outros estados ainda verificam quantos prematuros conseguiriam receber.

Fonte: CNN Brasil

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat