Siga as Redes Sociais

Saúde

Saiba quem são os cotados para assumir o cargo de ministro da Saúde

Avatar

Publicado

em

Com o pedido de demissão de Nelson Teich nesta 6ª feira (15.mai.2020), o presidente Jair Bolsonaro precisa escolher seu 3º ministro da Saúde desde o início do governo. Até o momento, nenhum dos nomeados endossou a atitude de Bolsonaro no combate à pandemia.

O presidente defende o isolamento social apenas para idosos e doentes crônicos, bem como a retomada de atividades econômicas. Também quer o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 para pacientes do grupo de risco, independente da gravidade dos sintomas.

O Poder360 lista os nomes mais cotados para assumir o cargo:

Nise Yamaguchi

Bolsonaro recebeu a oncologista e imunologista do Hospital Albert Einstein na manhã desta 6ª, pouco antes/depois de Teich comunicar seu pedido de demissão ao presidente. A médica defende abertamente o uso controlado da hidroxicloroquina no tratamento da doença.

É 1 ponto em comum com o presidente. Bolsonaro insiste no uso da medicação, apesar da falta de respaldo científico quanto a eficácia e a segurança da substância. O 1º ministro da pasta no governo Bolsonaro, Henrique Mandetta, alertou que a cloroquina pode levar a taquicardia e outros efeitos colaterais.

Eduardo Pazuello

O general de divisão foi nomeado secretário-executivo de Teich por indicação de Bolsonaro. A influência dos militares na pasta também influenciou a saída do agora ex-ministro.

Prefeitos preferiam tratar de assuntos da saúde diretamente com o general. Com a saída de Teich, ele assumiu como ministro interino. Dentre os elegíveis chefiar a pasta, Pazuello é o candidato mais próximo a Bolsonaro. Não é médico.

Luiz Froes

O 2º militar da lista tem formação técnica. O vice-almirante é diretor de Saúde da Marinha.

Froes é médico com MBA em gestão da saúde pelo Coppead-UFRJ. Foi diretor-médico do Hospital das Forças Armadas em Brasília, onde Bolsonaro realizou os testes para covid-19.

Osmar Terra

O deputado federal pelo MDB do Rio Grande do Sul foi ministro da Cidadania de Bolsonaro. Posiciona-se fortemente contra o isolamento social e chegou a dizer que o número de mortos não passaria de 950.

Terra já era cotado para o cargo quando o antecessor de Teich, Nelson Mandetta, foi demitido.

Fonte: Poder 360

Saúde

Covid-19 mata 10 pessoas e deixa 708 infectados no Piauí em 24h

Avatar

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi) divulgou nesta sexta-feira (22), que o estado do Piauí registrou em 24h, 10 óbitos e 708 casos de COVID-19. O estado já registrou 155.105 casos confirmados e 2.999 mortes.

Duas mulheres e oito homens foram vítimas da Covid-19. Elas eram de Amarante (86 anos) e Itaueira (71 anos). Os homens eram das cidades de Amarante (64 anos), Antônio Almeida (68 anos), Caridade do Piauí (72 anos), Cocal (90 anos), Marcos Parente (68 anos), Parnaíba (53 anos), Piracuruca (72 anos) e Regeneração (32 anos). Todas as vítimas possuíam comorbidades.

Os casos confirmados no estado somam

155.105 distribuídos em todos os municípios piauienses. Já os óbitos pelo novo coronavírus chegam a 2.999 e foram registrados em 205 municípios. Até agora, morreram 1.761 homens e 1.238 mulheres.

Continue Lendo

Saúde

Anvisa libera uso emergencial de doses da CoronaVac envasadas no Brasil

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Em decisão unânime, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso emergencial de doses da CoronaVac envasadas no Brasil, em reunião realizada nesta sexta (22/01).

A diretora da Anvisa Meiruze Freitas, relatora do pedido feito pelo Instituto Butantan, foi a primeira a votar favoravelmente à aprovação do novo lote. O voto dela foi seguido pelo diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, e pelos outros três diretores da agência: Rômison Mota, Alex Machado Campos e Cristiane Gomes.

“A vacina atende aos critérios de qualidade, segurança e eficácia para o uso emergencial”, afirmou Freitas ao votar pela aprovação do segundo lote do imunizante”.

Este segundo pedido foi submetido à Agência na última segunda-feira (18/1). O segundo lote da CoronaVac será envasado em ampolas que permitem a aplicação de mais de uma dose por frasco —o Butantan informou que a autorização permitirá ao instituto prosseguir com a produção da vacina em seu laboratório, podendo produzir outros 35 milhões de doses.

Atualmente, o Butantan tem 4,8 milhões de doses prontas aguardando liberação. Até o final de março o instituto espera disponibilizar, no total, 46 milhões de doses.

A decisão da Anvisa passa a valer a partir do momento em que houver a comunicação oficial ao laboratório, publicado no portal do órgão.

Assista:

Continue Lendo

Saúde

Fiocruz recomenda aplicação em dose única de vacina de Oxford

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Shutterstock

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está recomendando que a vacina da Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca, seja aplicada ao menos num primeiro momento em dose única, e não em duas como diz o fabricante. A intenção é que se tenha mais imunizantes para vacinar um maior número de pessoas. O ministério da Saúde, por outro lado, considera que a imunização deve seguir o que preconiza a Oxford/AstraZeneca.

A aplicação em dose única foi sugerida pelo vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, em entrevista a GloboNews. “Nós já temos uma comprovação da eficácia de 73% por 120 dias a partir da primeira dose. Tratamos a segunda dose quase como um reforço”, disse na quinta-feira, 21.

“Nossa recomendação, e é um programa que está sendo utilizado pela Inglaterra e pela maioria dos países, é realmente aproveitar essa característica da vacina e fazer uma vacinação mais rápida, para distribuir doses para mais pessoas num primeiro momento, para que a gente possa diminuir a carga viral populacional, e com isso diminuir a transmissão da doença”, sustentou Krieger.

Na terça-feira, dia 19, o Ministério da Saúde encaminhou ofício ao Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e ao Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasem) alertando para a necessidade de que se cumpram as diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O programa prevê ciclos de vacinação de acordo com os grupos prioritários, que são definidos em estudos populacionais. Segundo o ministério, todas as unidades de saúde do País devem cumprir o que rege o PNI a fim de que o Brasil tenha doses suficientes para imunizar “com as duas doses previstas neste primeiro ciclo” da campanha de vacinação.

Nesta sexta-feira, em nota à reportagem, o ministério reiterou o posicionamento. “O PNI prevê que os cidadãos recebam inicialmente o quantitativo de doses preconizado por cada laboratório produtor”, informou a pasta. “É importante ressaltar que, conforme já divulgado, o plano é dinâmico e será adaptado – se necessário – à medida em que tivermos vacinas aprovadas e incorporadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) – de forma a atender a população brasileira”, sustentou.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, “a imunização levará em conta as especificidades técnicas de cada vacina – sempre de acordo com as bulas e respeitando as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.

Com o atraso na chegada de insumos vindos da China, a Fiocruz adiou de fevereiro para março a previsão de entrega das primeiras doses da Oxford/AstraZeneca que serão produzidas no Brasil.

Fonte: Estadão Conteúdo

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat