Siga as Redes Sociais

Política

Átila dispara sobre governo Wellington: ‘Não comporta nem simpatizante, quanto mais ocupante’

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

O deputado federal Átila Lira, deixou claro que espera apenas a abertura da janela partidária para deixar o PSB. Segundo o parlamentar, um dos principais motivadores para a sua saída é em relação a divergências políticas, em especial, no que diz respeito a questão da reforma da Previdência. O caminho mais provável de Átila, seria o do Democratas, com o qual já admitiu negociações, isso por conta de sua ligação com o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia.

“Todos sabemos que o País está quebrado e que a reforma da Previdência é necessária. E de um lado temos o PSD contra a reforma e sem apresentar nenhuma proposta alternativa. Então nós temos esse embate. Mas o partido vai se reunir essa semana e também na outra, que vai sair o último relatório, e nós vamos discutir isso, porque metade do partido é favorável a reforma e a outra parte não. Sobre a ida ao DEM, é uma possibilidade. Atualmente tenho uma ligação muito grande com o Rodrigo Maia. É um partido que me alinha, do ponto de vista de pensamento”, disse Átila.

O deputado que hoje é oposição do governo do Estado, também falou sobre a aproximação entre Wellington Dias (PT), e Rodrigo Maia (DEM). Entretanto, apesar do fato, ele negou a possibilidade de ingressar na base do governo, caso se filie ao DEM e, falou da sobrecarga do governo com o grande número de aliados políticos.

“O deputado Rodrigo tem uma relação muito boa com os governadores, especialmente com Wellington, com quem ele dialoga muito. Inclusive, o governador do Piauí conversa muito com a equipe técnica da reforma da Previdência e ele vê realmente um apoio, porque os governadores do Nordeste tem uma organização própria e precisa estar dialogando com o governo e o Rodrigo é esse meio termo. Em relação a eu me aproximar do governo, isso não tem nem sentido. O que eu faço é apenas colaborar com questões de interesse em comum, por por ser coordenador de bancada e também querer o melhor para o estado. Até porque, o governo já está tão sobrecarregado, ele não comporta nem simpatizante, quanto mais ocupante. Nesse governo não tem mais lugar. Mas o governador é piedoso, gosta de dar uma proteção, uma atenção a essas pessoas, mesmo que não dê nada”, relatou o parlamentar.

Polêmicas sobre a possibilidade de filiação ao DEM

O ex-deputado Robert Rios afirmou que se Átila for para o DEM, ele sairá da sigla. O deputado, entretanto, respondeu a essa questão e afirmou que já conversou com o ex-parlamentar.

“Ele é do partido, faz parte do diretório municipal, eu já conversei com ele e perguntei porque essa rejeição. Mas ele alega que eu vou entregar o partido para Wellington Dias, e volto a afirmar que isso não existe. Eu sou um homem de bem e de respeito, não vou fazer loucura sem consultar os demais e, nem tenho simpatia nesse sentido. Falo também por Wellington, porque ele não quer um partido como o DEM que é de direita a seu lado”, disse.

Atenção do governo Bolsonaro para o Piauí

Átila Lira ainda comentou sobre projetos do governo Federal para o Nordeste, em especial para o Piauí. Segundo o deputado, Bolsonaro tem um plano para essa região, que será discutido após a aprovação da reforma da Previdência.

“O governo tem um plano para essa a região Nordeste. Esse plano está sendo construído e vai ser muito discutido no período pós-Previdência onde serão ouvidos governadores, deputados, lideranças empresariais e sociais de cada estado, para que ele possa atender aquilo que é essencial. É importante salientar que este governo não está parado. pelo contrári, no caso do Piauí, por exemplo, obras de engenharia que o DNIT está fazendo são obras reclamadas a muito tempo. Esses viadutos aqui em Teresina, as BR’s que serão duplicadas para Demerval Lobão e Altos, serão concluídas pelo governo Bolsonaro. Então, ele vai criar mecanismos para atender os estados, eles irão receber um financiamento por conta da participação na reforma da Previdência. Porque um governo não pode discriminar um estado apenas por ser de outro mais, ainda mais um estado pobre como PI”, concluiu.

Política

Partidos mantêm obstrução e sessão da Câmara é cancelada

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu nesta terça-feira (27) responsabilidade aos partidos da base do governo para acabar com a obstrução no plenário. No entanto, mesmo após o apelo, a sessão foi cancelada com a manutenção da obstrução dos trabalhos. 

“Espero que a responsabilidade prevaleça. Se o governo não tem interesse nessas medidas provisórias, eu não tenho o que fazer. Eu pauto, a base obstrui e eu cancelo a sessão”, disse. 

Desde o início deste mês, partidos da base governista e da oposição têm obstruído e inviabilizado as votações. Nova sessão ficou marcada para o dia 3 de novembro. 

“Não sou eu que estou obstruindo, mas a base do governo. O governo não tem interesse nessas medidas provisórias, eu não tenho o que fazer. Eu pauto, a base obstrui e cancela a sessão. Infelizmente é assim. Espero que quando nós tivermos que votar a PEC Emergencial e a [reforma] tributária, que o governo tenha mais interesse e que a própria base tire a obstrução da pauta da Câmara”. 

Parlamentares da base do governo querem evitar a votação da MP 1000/20, que prorroga o auxílio emergencial até dezembro com o valor de R$ 300 mensais. Os partidos de oposição também fazem obstrução para que o texto seja votado e, dessa forma, restabelecer o valor de R$ 600 até o final do ano.

Orçamento

Os partidos da base aliada também integraram a obstrução aos trabalhos do plenário por falta de acordo para instalação da Comissão Mista de Orçamento (CMO). Desde setembro, congressistas tentam acordo sobre a distribuição de vagas entre os deputados. 

“Tem acordo feito em fevereiro. Se o acordo não for cumprido fica difícil a CMO funcionar. É problema do governo. A CMO funciona por acordo. Ela não funcionava com obstrução sistemática, não funcionou em governo nenhum”, ressaltou Maia.

Até o momento, não há data para a eleição do presidente do colegiado e para a indicação dos relatores dos projetos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLN 9/2020) e da Lei Orçamentária Anual (PLN 28/2020).

Rodrigo Maia disse que um acordo está sendo construído para que as comissões possam voltar a funcionar. Em virtude da pandemia da covid-19, as atividades das comissões estão suspensas desde março. 

Vacina

O presidente da Câmara voltou a defender o diálogo para garantir a autorização e distribuição de vacinas contra a covid-19, após a aprovação pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na avaliação de Maia, a decisão sobre a obrigatoriedade da vacina não deve ser tomada pelo Judiciário. 

“Acho que o Poder Executivo e o Poder Legislativo precisam encontrar um caminho. Nós não devemos deixar um espaço aberto para que o Supremo [Tribunal Federal] decida e depois o Legislativo e o Executivo reclamem de um ativismo do Judiciário. Já disse nos últimos dias que devemos sentar e encontrar uma solução para esses problemas. Obrigatoriedade ou não é um problema que precisa ser debatido. A questão da vacina depende da Anvisa, não depende de nenhum de nós”, defendeu. 

Constituinte

O parlamentar disse ainda que não é o momento de rediscutir a Constituição brasileira. No domingo (25), por amplo apoio popular, os chilenos decidiram descartar a atual Constituição do país, da era do ditador Augusto Pinochet, em favor de uma nova Carta, que será escrita pelos cidadãos.

“Está se misturando histórias distintas. A história do Chile é uma, a nossa é outra. Nós temos uma Constituição construída num processo sem violência. Acho que o nosso papel não é esse, existem problemas, mas não fazer uma ruptura institucional. Nosso papel é continuar fazendo as reformas”, argumentou. 

Ontem (26), o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que a atual Constituição, promulgada em 1988, tornou o Brasil ingovernável. Para o deputado, o contribuinte não tem como suportar todos os direitos consolidados no texto.

“Não dá para fazer de conta que não há esse problema a enfrentar. É preciso coragem para pensar um Brasil diferente. Erramos a fórmula, então vamos fazer uma nova fórmula, porque esta se mostrou inviável”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo

Eleições

Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O número de municípios com mais eleitores que habitantes aumentou na comparação com o cenário visto nas eleições de 2018. Segundo levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), desta vez são 493, 8,8% das cidades brasileiras. Em 2018, quando 308 cidades do Brasil registraram essa inversão, o aumento foi de 60%.

O estudo foi feito a partir do cruzamento de dados da base de eleitores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a população oficial calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estado com o maior número em termos percentuais é Goiás (22,76%), seguido do Rio Grande do Norte (17,9%) e da Paraíba (14,8%).

Proporcionalmente, a cidade que lidera a lista nacional de municípios com mais eleitores do que habitantes é Severiano Melo (RN). Lá, segundo estimativa do IBGE, são 2.088 habitantes, já os dados do TSE apontam 6.482 eleitores aptos a votar, o número é três vezes maior que a quantidade de habitantes.

Em números absolutos, na liderança da lista nacional de municípios com mais eleitores que habitantes está o município pernambucano de Cumaru,no Agreste do estado. Segundo o IBGE, ele possui 10.192 moradores, já o TSE aponta que há na cidade 15. 335 cidadãos aptos a votar este ano.

Justificativa

A diferença, segundo o consultor da área técnica, da CNM, Eduardo Stranz, pode ser justificada por desatualizações nas estimativas de população feitas pelo IBGE, fraudes e , especialmente, por questões afetivas. “Existe uma ligação muito grande das pessoas com as cidades onde elas nasceram, sobretudo nesses municípios pequenos. Elas migram para cidades maiores, regiões metropolitanas ou cidades-pólo em busca de emprego ou estudo, mas não transferem seus títulos eleitorais, isso é muito comum”, avaliou.

Stranz, que há mais de 30 anos trabalha com municípios, lembrou ainda que em cidades menores a disputa política é muito acirrada e as pessoas nascidas nessas localidades têm sempre algum grau de parentesco com os candidatos o que, segundo ele, também contribui para que elas não transfiram seus títulos.

Dados IBGE

Outro ponto que deve ser levado em conta é a defasagem nos dados sobre a população brasileira. “Isso está mais evidente agora, em 2015. Segundo o Plano Nacional de Estatística, o IBGE teria que ter feito uma contagem populacional para ajustar a fórmula que calcula essa estimativa, mas isso não aconteceu sob o argumento de falta de verba”, explicou o especialista.

O Brasil adota uma das seis fórmulas utilizadas no mundo para estimar a população . A equação, que projeta o número de habitantes a partir de dados do Censo Demográfico, tem eficiência por quatro anos, no quinto ano, é preciso recontar a população para ajustar a fórmula. “Como não foi feito isso, as populações estimadas a partir de 2015 têm tendência mais ao erro que acerto. Isso também pode ser importante nessa diferença”, destacou Eduardo Stranz.

Fraudes

Questionado se o número maior de eleitores em relação aos habitantes em determinadas cidades não pode significar fraude, o consultor disse que sim, mas que casos de curral eleitoral são pontuais. “Hoje em dia isso é cada vez menos comum. As pessoas têm muito mais acesso à informação, discussão política. Olhando o perfil dessas cidades, fica mais evidente a ligação das pessoas com sua terra natal.

Revisão

Nos casos em que há muita discrepância entre eleitores e habitantes ou que há um aumento da transferência de domicílios, a Resolução 22.586/2007, do TSE, determina que seja feita uma revisão do eleitorado sempre que for constatado que o número de eleitores é maior que 80% da população, que o número de transferências de domicílio eleitoral for 10% maior que no ano anterior, e que o eleitorado for superior ao dobro da população entre 10 e 15 anos, somada à maior de 70 anos no município.

Fonte: Agência Brasil

Continue Lendo

Eleições

Stanley Freire apresenta propostas e destaca que “trabalha para servir a população”

Redação Encarando

Publicado

em

Foto: Divulgação

O candidato a vereador Stanley Freire (Progressistas) apresentou suas propostas com foco nas necessidades dos cidadãos. Além disso, quer continuar o que deu certo e aprimorar projetos. Emprego e renda, moradia, passe livre e saúde, são alguns dos destaques em seu plano buscando firmar uma parceria de confiança com o eleitorado.

“Sempre teremos o cidadão como nosso principal foco. Trabalhamos para servir a população e para que isso aconteça traçamos um plano voltado as necessidades de todos desde a inclusão a serviços básicos”, disse o candidato.

No âmbito da saúde, lutar pela obrigatoriedade nos hospitais e maternidades privadas e públicas de Teresina, para que ofereçam aos pais e responsáveis dos recém-nascidos, treinamento de primeiros socorros; defender os interesses dos idosos por meio de projetos que os valorizem; e lutar pela aquisição de mais veículos para melhor atendimento e com mais eficiência.

Emprego e renda: O plano está voltado para a implantação e efetivação de centros comerciais cooperativos.

Arte e Lazer: lutar pela implantação de editais que contemplem as diversas expressões de arte e cultura raiz; lutar pela criação e implantação da secretaria municipal de cultura; e lutar pela aquisição de equipamentos e brinquedos que contemplam pessoas com necessidades especiais.
Educação: fomentar a criação de políticas públicas para a juventude; e elaborar Projeto de Lei que crie o “Agente de Educação Comunitário”.

Moradia: Lutar pela reserva de apartamentos térreos de residenciais habitacionais implantado pelo poder público municipal, para pessoas acometidas por doenças raras.

Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat