Siga as Redes Sociais

Vai Encarar?

Mulheres têm conquistas, mas caminho ainda é longo para igualdade

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Ser mulher é enfrentar um desafio diferente todos os dias. É superar barreiras, muitas vezes, invisíveis. Apesar de serem a maioria da população brasileira (51,8%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE), elas ainda enfrentam cenários desiguais, seja na divisão das tarefas domésticas ou nos ganhos no mercado de trabalho. Muitas vezes, elas assumem tripla jornada. Saem para trabalhar, cuidam da casa, dos filhos. Em vários lares, elas são arrimo e sustentam sozinhas suas famílias. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), em 2018, 45% dos domicílios brasileiros eram comandados por mulheres.

Mas, apesar de liderarem casas e assumirem as contas, as mulheres ainda têm de lidar com a discriminação. Estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostra que 90% da população mundial ainda tem algum tipo de preconceito na questão da igualdade de gênero em áreas como política, economia, educação e violência doméstica.

Segundo o estudo, que analisou dados de 75 países, cerca de metade da população considera que os homens são melhores líderes políticos do que as mulheres, e mais de 40% acham que os homens são melhores diretores de empresas. Além disso, 28% dos consultados consideram justificado que um homem bata na sua esposa. Apesar da longa jornada enfrentada por elas ao longo da história, os números mostram que ainda há muito a caminhar.

Marco histórico

Considerado marco histórico na luta das mulheres por mais oportunidades e reconhecimento, o 8 de março foi instituído como Dia Internacional da Mulher, pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1975.

Muitos historiadores relacionam a data a um incêndio ocorrido, em 1911, em Nova York, no qual 125 mulheres morreram em uma fábrica têxtil. A partir daí, protestos sobre as más condições enfrentadas pelas mulheres trabalhadoras começaram a ganhar espaço.

Mais de um século depois, as mulheres seguem na luta por igualdade de direitos

UN Tribunal Judges,Martha Halfeld Furtado de Mendonça Schmidt
A juíza brasileira Martha Halfeld é a primeira mulher a ocupar a presidência do Tribunal de Apelações da ONU – UN Photo/Loey Felipe

Para a juíza Martha Halfeld, primeira mulher a ocupar a presidência do Tribunal de Apelações da Organização das Nações Unidas, não há mais espaço para a ideia de “concessão masculina”. Tudo o que as mulheres conseguiram, ao longo da história, foi com base em muito trabalho, dedicação e suor. Na visão da juíza, o 8 de março deve ir muito além de flores ou presentes.

“Oferecer a rosa, pode ser visto como: eu te concedo uma assistência. Eu, homem, te concedo aquilo. Hoje, não existe mais espaço para eu concedo. Não, nós conquistamos. E nós conquistamos com muito trabalho um espaço de perfeita igualdade em termos intelectuais, pelo menos. Temos tanta capacidade intelectual quanto qualquer homem”, afirma Halfeld que permanece na presidência da Corte até janeiro de 2022 e segue na ONU até 2023.

Livro como arma

Para conquistar um espaço na academia e na literatura, a mineira Conceição Evaristo sabe o quanto teve de lutar. Sua primeira arma foi o livro, que a acompanhou desde a infância pobre vivida em Belo Horizonte. “Eu não tinha muita coisa em termos materiais. Brinquedo era uma coisa rara, passear era uma coisa muito rara, viajar muito menos. Então, o livro vem preenchendo um vazio. A escola onde estudei os meus primeiros anos primários tinha uma biblioteca muito boa. Desde menina, eu sempre gostei de leitura.”, conta.

Segunda de nove irmãos, a escritora foi criada pela mãe e por uma tia. Conceição, que trabalhou como empregada doméstica e lavadeira, foi a primeira da família a conseguir um diploma universitário.

Depois da graduação, veio o mestrado, o doutorado e as aulas em universidades públicas. Em paralelo aos estudos, ela se dedicava a outra paixão: a escrita. Seus  contos e poemas foram publicados na Série Caderno Negros, na década de 1990, e seu primeiro livro, o romance Ponciá Vicêncio, foi publicado em 2003.

Conceição Evaristo
Para escritora Conceição Evaristo, o 8 de março é um momento de reflexão e vigília constante – Marcello Casal JrAgência Brasil

Em 2019, foi a homenageada do Prêmio Jabuti, um dos mais importantes da literatura brasileira. “Foi preciso um prêmio me legitimar. Enquanto eu não ganhei o Jabuti, as pessoas não acreditaram que estavam diante de uma escritora negra”, afirma.

Reconhecida como uma das escritoras brasileiras mais importantes da atualidade, Conceição conta que as barreiras que teve de enfrentar por toda sua vida foram o combustível para suas obras. “A minha escrita é profundamente contaminada pela minha condição de mulher negra. Quando eu me ponho a criar uma ficção, eu não me desvencilho daquilo que eu sou. As minhas experiências pessoais, as minhas subjetividades, o lugar social que eu pertenço, isso vai vazar na minha escrita de alguma forma.”

Para ela, o 8 de março é uma data para ser celebrada, mas também um momento de reflexão e de vigília constante. “Todas as mulheres precisam ficar alertas àquilo que é do nosso direito, àquilo que nós temos de reivindicar sempre porque nada, nada nos é oferecido, tudo é uma conquista”, conclui.

Fonte: Agência Brasil

Comente

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vai Encarar?

Além da pandemia, piauienses também tem que se isolar pela falta de segurança

Avatar

Publicado

em

As mortes violentas aumentaram consideravelmente nesses anos de pandemia. Os piauienses vivem trancados em suas residências com medo da pandemia do novo coronavírus, e principalmente por causa da violência alarmante no estado.

Nas favelas de Teresina não é mais o governo que decreta o toque de recolher. A medida restritiva agora é determinada pelo crime, que estabeleceu o toque de recolher nas comunidade, determinando o horário de funcionamento de comércios, escolas, e a permanência das pessoas nas ruas da periferia. Com a disputa entre facções, as leis do crime são as que regem o Piauí.

A população padece de segurança, e um dos principais motivos das facções terem chegado no estado foi a negligência das forças de segurança pública do Estado. O medo, a insegurança, que a população vive diariamente não é nada mais que a herança da gestão de Fábio Abreu, quando esteve no comando da Secretaria de Segurança.

Nos bairros, onde as facções criminosas dominam, a população vivem uma falsa sensação de ‘tranquilidade’, pois os traficantes determinam leis, que são obedecidas, como a proibição de assaltos contra moradores do bairro. Muitas vezes, a população se torna agradecida pelas facções por garantir segurança, que o Estado não garante.

Continue Lendo

Vai Encarar?

Teresina perdeu em 100 dias o título de cidade limpa

Avatar

Publicado

em

A cidade Teresina era conhecida como a ‘Cidade Limpa’. Costumávamos sempre ver garis realizando a limpeza por todos os bairros, e principalmente nas principais avenidas da capital piauiense. A gestão passada, do ex-prefeito Firmino Filho, fez jus ao título recebido.

Agora, o que é constante na atual gestão é inúmeras denúncias relacionadas à limpeza da cidade e a morosidade na manutenção urbana de Teresina, como os inúmeros buracos que estão tomando de contas das ruas e avenidas do município.

Além disso, em 100 dias de gestão, a coleta domiciliar de lixo atrasou em todas as regiões da cidade, provocando insatisfação nos moradores, que já estavam habituados com os dias/horários das coletas de lixo.

A população também sofre com a falta de manutenção e limpeza nas praças de Teresina, principalmente nas de bairros, pois são utilizadas pelos moradores para lazer e a prática de atividades físicas. A falta de iluminação adequada e limpeza nas praças acaba provocando o aumento da criminalidade nas periferias.

É vergonhoso Teresina sair do título de ‘cidade limpa’, e passar a ser carente de manutenções urbana.

Continue Lendo

Vai Encarar?

Promessas não ‘andam’ e servidores seguem lesados pelo Plamta; Até quando?

Redação Encarando

Publicado

em

Daniele Aita, diretora do Iaspi — Foto: Divulgação

As reclamações referentes aos atendimentos que deveriam ser realizados através do Plano Médico de Assistência e Tratamento (Plamta) seguem pelo estado. Frequentemente, servidores denunciam que não estão sendo atendidos pelos hospitais que compõem a rede credenciada pelo Plamta.

As queixas são inúmeras, principalmente relacionadas à urgência Covid nos hospitais, que se negam a realizar o atendimento aos usuários do Iaspi/Plamta.

Mas o fato é, que apesar dos problemas, e até mesmo a falta de atendimento aos beneficiários, o valor do plano é descontado do contracheque dos servidores, que seguem sendo lesados.

Mensalmente pagamos o plano, somos totalmente corretos com nossas obrigações, até porquê, o desconto na folha de pagamento direcionado ao plano não falha. Os atendimentos, contudo, seguem o caminho oposto. A cada dia é mais difícil conseguir uma consulta ou qualquer outro procedimento através do plano, muitas vezes, os hospitais até se recusam a atender e isso é vergonhoso”, desabafou ao Encarando, uma servidora que pediu para não ser identificada.


Recentemente, a diretora do Iaspi, Daniele Aita, falou sobre as inúmeras reclamações que tem recebido e, ameaçou adotar medidas administrativas e jurídicas, inclusive com possibilidade de descredenciamento por quebra de contrato aos estabelecimentos que se negaram a atender os beneficiários do plano. A mesma história que perdura há anos. Em nota, bem elaborada e destinada à imprensa, ainda no início de março deste anos, o governo garantiu:

“Diante da situação provocada pela pandemia do novo coronavírus e toda complexidade imposta às relações na área da saúde para enfrentar a situação, o governo do Estado está preocupado e adotando as medidas cabíveis para a retomada imediata do atendimento”.

Até agora, nada mudou. As ações são mínimas e sem efetividade. Enquanto isso, quem tanto necessita do acesso à saúde, segue prejudicados. E o pior, pagam pelo próprio leso.

A pergunta é, até quando o trabalhador vai ter que encarar tanto descuido?


Continue Lendo
Casas Duplex

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat