Siga as Redes Sociais

Mundo

Trump alega risco de fraude e sugere adiar eleições nos EUA

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Nicholas Kamm/AFP

Donald Trump levantou nesta quinta-feira (30) a possibilidade de adiar as eleições presidenciais, marcadas para o dia 3 de novembro, apesar da data estar expressa na Constituição dos Estados Unidos.

O presidente, sozinho, não pode adiar as eleições –para isso, seria preciso autorização do Congresso.

Sem apresentar evidências, ele repetiu o argumento de que pode haver fraude na votação por correio, e então afirmou: “Adiar as eleições até que as pessoas possam votar com segurança?”.

Não há evidências de fraude generalizada dos eleitores por meio de votação por correio. Cinco estados já se baseiam exclusivamente nas cédulas por correio e dizem que têm as salvaguardas necessárias para garantir que alguma pessoa ou entidade estrangeira hostil não atrapalhe a votação. Especialistas em segurança eleitoral afirmam que todas as formas de fraude eleitoral são raras.

Trump tem procurado cada vez mais questionar as eleições de novembro e o aumento esperado nas votações por correspondência, como consequência da pandemia de coronavírus.

Trump chamou as opções de votação remota o “maior risco” para sua reeleição. Sua campanha e o Partido Republicano entraram na Justiça para combater a prática.

No mês passado, Trump disse aos apoiadores no Arizona que “esta será, na minha opinião, a eleição mais corrupta da história do nosso país”.

With Universal Mail-In Voting (not Absentee Voting, which is good), 2020 will be the most INACCURATE & FRAUDULENT Election in history. It will be a great embarrassment to the USA. Delay the Election until people can properly, securely and safely vote???— July 30, 2020

O texto diz o seguinte: “Com voto por correspondência universal (não voto em ausê, que é bom), as eleições de 2020 serão as mais imprecisas e fraudulentas da história das eleições. Será um grande constrangimentos para os EUA. Adiar as eleições até que as pessoas possam votar apropriadamente e seguramente?”.

Fonte: G1

Comente

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

China encontra traços de Covid em asas de frango importadas do Brasil

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

© DR

Traços do novo coronavírus foram encontrados em asas de frango importadas do Brasil, na cidade de Shenzhen, no sul da China, noticiou nesta quinta-feira (13) um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC).

Os traços foram detectados na superfície de uma amostra, após a realização de testes de ácido nucleico, indicou o jornal em língua inglesa Global Times, que citou o Centro de Prevenção e Controle de Doenças de Shenzhen, cidade adjacente a Hong Kong.

Todo o pessoal das alfândegas que entrou em contacto com as asas de frango oriundas do Brasil foi submetido a testes, que deram negativo, acrescentou o jornal.

Os lotes do produto contaminado que tinham sido já comercializados foram, entretanto, encontrados e confiscados pelas autoridades.

Esta semana, as autoridades chinesas disseram terem encontrado traços do novo coronavírus na superfície de outros produtos importados congelados, incluindo camarões oriundos do Equador, na província de Anhui, no leste da China.

A Comissão de Saúde de Shenzhen recomendou aos consumidores que sejam cautelosos, ao comprarem carnes e frutos do mar importados, e tomem “precauções, para reduzirem o risco de infecção”.

Em 10 de julho passado, Pequim suspendeu as importações de camarão branco congelado de três empresas do Equador, depois de ter encontrado vestígios do vírus nas embalagens, informou a Administração Geral das Alfândegas do país.

A China é o principal destino das exportações brasileiras, representando mais de 27% das vendas do Brasil ao exterior, uma fatia mais de duas vezes superior à do segundo maior mercado, os Estados Unidos.

Em 2019, Brasília exportou para Pequim produtos no valor de 79 mil milhões de dólares, mais 2,76% do que nos meses de janeiro a dezembro de 2018, com o Brasil a adquirir à China bens no valor de 35,47 mil milhões de dólares, uma diminuição de 5,18%.

Fonte: Notícias ao Minuto

Continue Lendo

Mundo

Astrônomos captam imagem de galáxia em forma de anel a mais de 12 bilhões de anos-luz da Terra

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Galáxia SPT0418-47 aparece no céu como um anel de luz quase perfeito — Foto: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), Rizzo et al.

Astrônomos europeus divulgaram nesta quarta-feira (12) na revista “Nature” a imagem da SPT0418-47, uma das mais distantes galáxias conhecidas do Universo. Em formato de um anel iluminado, o conjunto de estrelas está a mais de 12 bilhões de anos-luz de nós.

Isso significa que a imagem mostra a galáxia quando o Universo tinha “apenas” 1,4 bilhões de anos, ou seja, a foto dá uma ideia de como era o início do Universo. Inclusive, dizem os pesquisadores, o registro de um anel de luz estável desfaz a noção de que as galáxias desse período eram todas turbulentas.

A imagem foi obtida por pesquisadores de instituições da Alemanha e da Holanda e divulgada pelo Observatório Europeu do Sul (ESO). Os cientistas utilizaram os recursos do observatório Alma (Atacama Large Millimiter Array), no Chile. Localizado a 5 mil metros de altitude, o equipamento astronômico foi inaugurado em 2013 como um dos maiores do mundo.

Semelhanças com a Via Láctea

Segundo os pesquisadores, há duas grandes semelhanças da SPT0418-47 com a Via Láctea, galáxia que abriga a Terra: ambas são um disco que gira em torno do próprio eixo e formam uma aglomeração de estrelas ao redor do centro galático. A diferença é que a Via Láctea tem braços em espiral.

“O resultado representa uma novidade no campo da formação das galáxias ao mostrar que estruturas que observamos em galáxias espirais próximas e na nossa Via Láctea já existiam 12 bilhões de anos atrás”, comenta Francesca Rizzo, doutoranda no Instituto Max Planck de Astrofísica (Alemanha).

Ao estudar galáxias distantes como a SPT0418-47, pesquisadores entendem a formação e a evolução dessas estruturas desde a formação do Universo. Apesar das semelhanças com a Via Láctea, a SPT0418-47 pode ter se desenvolvido de outra forma.

Em estudos futuros, os pesquisadores vão desvendar se galáxias circulares como a SPT0418-47 são de fato comuns no Universo — o que abre caminho para novas pesquisas sobre a evolução dessas estruturas espaciais.

Fonte: G1

Continue Lendo

Mundo

Mundo ultrapassa 20 milhões de casos oficiais de Covid-19

Laurivânia Fernandes

Publicado

em

Foto: Getty

Mais de 20 milhões de casos do novo coronavírus foram registrados oficialmente no mundo, mais da metade deles nas Américas, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins (EUA) com dados até esta segunda-feira (10).Um total de 20.001.019 de pessoas tiveram a doença, das quais 733.897 morreram.

Mais de quatro em cada 10 casos estão localizados em Estados Unidos e Brasil, países mais afetados pela pandemia, com 5.085.821 e 3.057.470 casos, respectivamente (163.370 e 101.752 mortos).

O Brasil tem pelo menos 15% dos casos confirmados da doença. O número pode ser maior, já que há subnotificação.

Atrás de EUA e Brasil, Índia e Rússia têm mais casos da Covid-19, com 2.215.074 e 890.799 infectados respectivamente. Mas o terceiro e quarto lugar no ranking de mortes é ocupado pelo México e o Reino Unido, com 52.298 e 46.611 óbitos.

De acordo com dados da universidade dos EUA, o ritmo da pandemia parece estabilizar-se no mundo, em patamares altos. Desde meados de julho, um milhão de novos casos são detectados a cada quatro dias, aproximadamente.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que o coronavírus era uma pandemia no dia 11 de março, quando havia 118 mil casos e 4.291 mortes em todo mundo. A marca de 10 milhões de contaminações foi superada em 28 de junho. O número de casos registrados duplicou desde então, em apenas um mês e meio.

A América Latina e o Caribe, regiões do mundo mais afetadas em número total de casos (5,6 milhões de casos) e de óbitos (221 mil), continuam registrando um avanço rápido da pandemia, com 576.583 novas infecções declaradas nos últimos sete dias.

A Índia é o país do mundo com mais novos casos registrados na última semana (402 mil), à frente dos Estados Unidos (376 mil), que no domingo superou a marca de 5 milhões de contágios oficialmente contabilizados, e do Brasil (301 mil).

O número global de infecções reflete uma parte do verdadeiro tamanho da pandemia, já que muitos países recorrem a testes de detecção somente para rastrear surtos ou não possuem recursos suficientes para a realização de grandes campanhas de detecção de casos.

Fonte: Folhapress

Continue Lendo
Acqua Blu

Trending

Copyright © 2018 Encarando - Silas Freire. Todos os Direitos Reservados.
WhatsApp: 86. 98183-1178 / Fixo: 3234-9879
Email: encarando.com@gmail.com

WhatsApp chat